· Cidade do Vaticano ·

Angelus na praça de São Pedro

Artífices de fraternidade num mundo dilacerado

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
04 janeiro 2022

«Se nos tornarmos artífices da fraternidade, seremos capazes de tecer os fios de um mundo dilacerado por guerras e violência», foram os votos do Papa no sábado 1 de janeiro, solenidade da Maria Santíssima Mãe de Deus, no Angelus recitado da janela do Palácio apostólico do Vaticano com os fiéis presentes na praça de São Pedro.

Estimados irmãos e irmãs
bom dia! Bom ano!

Comecemos o novo ano, confiando-o a Maria Mãe de Deus. O Evangelho da liturgia de hoje fala dela, reconduzindo-nos para o encanto do presépio. Os pastores vão sem demora para a gruta e o que encontram? Encontram — diz o texto — «Maria, José e o menino deitado na manjedoura» (Lc 2, 16). Façamos uma pausa sobre esta cena e imaginemos Maria que, como mãe terna e carinhosa, acabou de colocar Jesus na manjedoura. Naquele gesto podemos ver um dom feito a nós: Nossa Senhora não guarda o Filho para si, mas apresenta-o a nós; não o segura apenas no seu colo, mas depõe-no para nos convidar a olhar para ele, acolhê-lo e adorá-lo. Eis a maternidade de Maria: o Filho que nasceu é oferecido a todos nós. Sempre oferecendo o Filho, indicando o Filho, nunca o reteve como unicamente seu, não. E foi assim ao longo da vida de Jesus.

E ao colocá-lo diante dos nossos olhos, sem dizer uma palavra, transmite-nos uma mensagem maravilhosa: Deus está próximo, ao nosso alcance. Ele não vem com o poder de quem quer ser temido, mas com a fragilidade de quem pede para ser amado; não julga a partir do alto de um trono, mas olha para nós de baixo como irmão, aliás, como filho. Ele nasce pequenino e necessitado para que ninguém se envergonhe: precisamente quando experimentamos a nossa fraqueza e fragilidade, podemos sentir Deus ainda mais próximo, porque Ele se nos apresentou assim, débil e frágil. É o Deus-menino que nasce para não excluir ninguém. Para nos tornar todos irmãos e irmãs.

Eis então: o novo ano começa com Deus que, nos braços da sua Mãe e deitado numa manjedoura, nos encoraja ternamente. Precisamos deste encorajamento. Ainda vivemos tempos incertos e difíceis devido à pandemia. Muitos estão assustados com o futuro e sobrecarregados por situações sociais, problemas pessoais, perigos que provêm da crise ecológica, injustiças e desequilíbrios económicos planetários. Olhando para Maria com o Filho nos braços, penso nas jovens mães e nos seus filhos que fogem das guerras e da fome ou que aguardam nos campos de refugiados. São tantos! E ao contemplarmos Maria que coloca Jesus na manjedoura, pondo-o à disposição de todos, lembremo-nos que o mundo muda e a vida de todos só melhora se nos colocarmos à disposição dos outros, sem esperar que eles comecem a fazê-lo. Se nos tornarmos artífices de fraternidade, seremos capazes de tecer os fios de um mundo dilacerado por guerras e violências.

Hoje celebramos o Dia Mundial da Paz. A paz «é conjuntamente dádiva do Alto e fruto dum empenho compartilhado» (Mensagem para o lv Dia Mundial da Paz, 1). Dádiva do alto: deve ser implorada a Jesus, porque sozinhos não somos capazes de a salvaguardar. Só podemos verdadeiramente construir a paz se a tivermos no coração, só se a recebermos do Príncipe da paz. Mas a paz é também empenho nosso: exige que demos o primeiro passo, requer gestos concretos. É construída com atenção aos últimos, com a promoção da justiça, com a coragem do perdão, que extingue o fogo do ódio. E também precisa de uma perspetiva positiva: que olhemos sempre — na Igreja como na sociedade — não para o mal que nos divide, mas para o bem que nos pode unir! Não nos devemos abater nem lamentar, mas arregaçar as mangas para construir a paz. A Mãe de Deus, Rainha da paz, no início deste ano, obtenha concórdia para os nossos corações e para o mundo inteiro.

No final do Angelus, o Papa saudou os vários grupos e agradeceu aos promotores de iniciativas para o 55º Dia mundial da paz. Entre eles estava a Comunidade de Santo Egídio, presente na praça de São Pedro com mil pessoas com cartazes com os nomes de países em guerra.

Amados irmãos e irmãs!

No início do novo ano desejo a todos a paz, que é o compêndio de todo o bem. Paz! Retribuo de coração e com gratidão a saudação do Senhor Presidente da República Italiana, Sergio Mattarella, e asseguro a minha oração por ele e pelo povo italiano.

Hoje é o Dia Mundial da Paz, iniciado por São Paulo vi em 1968. Na Mensagem deste ano frisei que a paz é construída através do diálogo entre as gerações, com a educação e o trabalho. Sem estes três elementos, faltam as bases.

Estou grato por todas as iniciativas promovidas em todo o mundo por ocasião deste Dia, de forma compatível com a situação pandémica; em particular pela Vigília realizada ontem à noite na Catedral de Savona como expressão da Igreja na Itália.

Saúdo os participantes na manifestação “Paz em todas as terras”, organizada pela Comunidade de Santo Egídio aqui em Roma e em muitas partes do mundo — competentes os membros de Santo Egídio, muito bem! — em colaboração com as dioceses e paróquias. Obrigado pela vossa presença e pelo vosso empenho!

Vamos para casa a pensar: paz, paz, paz! Precisamos de paz. Hoje estava a ver as imagens no programa de televisão “A sua imagine”, sobre a guerra, os deslocados, a miséria... E isto está a acontecer no mundo de hoje. Queremos paz!

Os melhores votos a todos! Por favor, não vos esqueçais de rezar por mim. Feliz ano novo! Bom almoço e até amanhã.