O Papa no bicentenário do nascimento de Santo André Kim Taegon

Pela reconciliação na Península coreana

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
31 agosto 2021

«Todos aqueles que trabalham pela reconciliação na Península coreana continuem, com renovado compromisso, a ser bons artífices da paz»: são estes os votos do Papa Francisco — «encorajando todos a um diálogo respeitoso e construtivo para um futuro cada vez mais luminoso» — numa mensagem enviada à comunidade coreana de Roma que, na tarde de 21 de agosto, se reuniu na basílica de São Pedro para celebrar o bicentenário do nascimento do primeiro sacerdote católico daquele país asiático: Santo André Kim Taegon, que padeceu o martírio em 1846 e foi canonizado por João Paulo ii em 1984, em Seul.

O rito em língua coreana, concelebrado no altar da Cátedra por cerca de trinta presbíteros, na presença de aproximadamente setenta religiosas e leigos, foi presidido pelo arcebispo Lazarus You Heung-sik, nomeado prefeito da Congregação para o clero pelo Papa Francisco a 11 de junho passado.

Dirigindo-se aos «fiéis da amada Coreia do Sul», o Pontífice recorda o santo sacerdote como «uma exemplar testemunha de fé heroica e um incansável apóstolo da evangelização em tempos difíceis, marcados por perseguições e sofrimentos para o povo» coreano. André Kim Taegon, continua a mensagem, «com os seus Companheiros, demonstrou com esperança jubilosa que o bem prevalece sempre, porque o amor de Deus triunfa sobre o ódio». Além disso, observa Francisco, atualizando a sua reflexão, «até hoje, diante de tantas manifestações do mal que deturpam a bonita face do homem, criado à imagem e semelhança de Deus, é necessário voltar a descobrir a importância da missão de cada batizado, que em toda a parte é chamado a ser agente de paz e de esperança, disposto, como o Bom Samaritano, a inclinar-se sobre as feridas de quantos aspiram ao amor, à ajuda, ou simplesmente a um olhar fraternal». A este propósito, o Papa aproveita a «ocasião para agradecer de coração a toda a comunidade eclesial coreana a grande generosidade em apoiar a campanha de vacinação anticovid-19 a favor dos países mais pobres. «A vossa sensibilidade e atenção aos membros mais fracos do Corpo de Cristo, realça Francisco, encoraja a colocar-se ao serviço do próximo e, ao mesmo tempo, representa um vigoroso convite a um maior compromisso na causa dos últimos».

Por fim, os votos de reconciliação para a Nação coreana: «Como eu disse na encíclica Fratelli tutti», conclui, citando o n. 232, «nunca está terminada a construção da paz social num país, mas é uma tarefa que não dá tréguas e exige o compromisso de todos».

Também na homilia, o arcebispo prefeito se referiu à pandemia e à encíclica de Bergoglio. O prelado coreano explicou que a «fraternidade evangélica é remédio para curar um mundo doente de indiferença e para superar a crise causada pela pandemia. Mas é também remédio diante da dor do panorama mundial: do terrível tremor de terra no Haiti, à dolorosa situação no Afeganistão, até em Myanmar».

Comentando as leituras propostas pela liturgia (Ez 34, 11-26; Jo 10, 11-16), o celebrante reconstruiu a vicissitude biográfica de Santo André Kim, em cuja «família nasceram também dois santos, dois beatos e seis mártires, ao longo de quatro gerações»; uma «família particularmente abençoada pelo Senhor — observou — e muito rara até na história da Igreja universal».

Ele, acrescentou o arcebispo, «através da sua breve vida terrena de apenas 25 anos e 26 dias, indicou o caminho que os homens são chamados a percorrer; com efeito, não obstante o ambiente social, em que predominava o sistema hierárquico de castas do confucionismo, o nosso santo sacerdote foi um homem cuja vida refletia plenamente a própria fé».