O Santo Padre respondeu ao romancista italiano que se interroga sobre a ética da indústria

Não é cultura nem beleza se explora o trabalho escravo

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
18 agosto 2021
O Papa responde ao romancista italiano Maurizio Maggiani, que há poucos dias lhe escreveu uma carta aberta no jornal italiano «Secolo xix» relatando com «vergonha» a descoberta do método criminoso utilizado para imprimir os seus livros e os de outros autores em detrimento dos imigrantes. No diário de Génova, as palavras de Francisco: é preciso a coragem de «renunciar» às vantagens produzidas pelos «mecanismos de morte». Alessandro De Carolis A coragem do pintarroxo, o título de um de seus livros mais conhecidos, desta vez foi a dele. O romancista-David, que questiona a ética da indústria-Golias, da qual ele próprio é um membro renomado, neste caso a indústria editorial, porque incomodado com um certo ...

Este conteúdo é reservado aos Assinantes

paywall-offer
Estimada Leitora, querido Leitor,
la leitura de L’Osservatore Romano em todas as suas edições é reservada aos Assinantes

Ao fazer a assinatura até 30 de Novembro poderá usufruir do preço promocional de 20 euros por ano.