O Papa Francisco celebrou a missa na igreja de Santo Espírito “in Sassia”

Misericordiosos
porque “misericordiados”

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
13 abril 2021

Só aqueles, como os apóstolos, que amadureceram a consciência de serem «misericordiados, se tornam misericordiosos». Eis por que é necessário aproximar-se do confessionário e «abraçar o Sacramento do perdão», que «é pura misericórdia» para «se tornar testemunhas de misericórdia», frisou o Papa Francisco na homilia da missa, pelo segundo ano consecutivo no segundo domingo de Páscoa, celebrada na igreja de Santo Espírito “in Sassia”, santuário romano da espiritualidade difundida por Santa Faustina Kowalska. No dia que João Paulo ii quis dedicar à festa da divina Misericórdia, o Papa Bergoglio chegou à igreja a um passo do Vaticano para presidir à Eucaristia e recitar o Regina caeli na presença de um pequeno grupo de fiéis — devido ao persistir da situação pandémica — que saudou pessoalmente um por um. Na sua homilia, observou que é «difícil ser misericordioso se não nos apercebermos que fomos misericordiados»; depois, explicou que os discípulos foram «misericordiados através de três dons» oferecidos por Jesus: «a paz, o Espírito, as chagas».

Atualizando a reflexão, o bispo de Roma exortou a não ficar «indiferentes», contentando-nos com «uma meia-fé, que recebe mas não dá, que acolhe o dom mas não se faz dom. Porque... a fé... Sem obras de misericórdia, morre». Uma recomendação que na prática continha um desejo, que ressoou antes da recitação da antífona mariana, dirigido aos presentes e a quantos o acompanhavam através dos meios de comunicação social: «Sentir-se sempre misericordiados para ser, vós também, misericordiosos».

Homilia do Papa Francisco