Palavras do Papa no dia da memória

Recordar é também
estar atentos

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
02 fevereiro 2021

No final da catequese, o Santo Padre recordou o Dia da memória do holocausto e saudou em várias línguas os fiéis que o acompanhavam através dos meios de comunicação, entre os quais os ouvintes de expressão portuguesa.

Hoje, aniversário da libertação do campo de extermínio de Auschwitz, celebramos o Dia da Memória. Comemoramos as vítimas do Holocausto e todas as pessoas perseguidas e deportadas pelo regime nazista. Recordar é expressão de humanidade. Recordar é sinal de civilização. Recordar é condição para um futuro melhor de paz e fraternidade. Recordar significa também estar atentos, pois estas coisas podem voltar a acontecer, começando por propostas ideológicas que pretendem salvar um povo e acabam por destruir um povo e a humanidade. Estai atentos a como começou este caminho de morte, de extermínio, de brutalidade!

De coração, saúdo os ouvintes de língua portuguesa. Que nada vos impeça de viver e crescer na amizade do Senhor Jesus, e testemunhar a todos a sua grande bondade e misericórdia! Desça generosamente a sua Bênção sobre vós e vossas famílias.

Dirijo uma cordial saudação aos fiéis de língua italiana. Amanhã é a memória litúrgica de S. Tomás de Aquino, padroeiro das escolas católicas. Que o seu exemplo encoraje todos, especialmente os estudantes, a ver em Jesus o único mestre de vida; e que a sua doutrina vos encoraje a confiar na sabedoria do coração para cumprir a vossa missão.

Por fim, como de costume, o meu pensamento dirige-se aos idosos, aos jovens, aos doentes e aos recém-casados. Espero que cada um, na própria condição, contribua generosamente para difundir a alegria de amar e servir Jesus.