Mensagem para o 55º Dia mundial das comunicações sociais

Para conhecer e comunicar
é preciso encontrar

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
26 janeiro 2021

Também a pandemia corre o risco de ser contada «só com os olhos do mundo mais rico», se quem deve informar acerca dela não se puser «em movimento» para fazer a experiência direta da «verdade das coisas» e da «vida concreta» das pessoas. Quem advertiu contra uma informação «fotocópia» e «pré-fabricada», construída «nas redações... sem nunca sair às ruas», foi o Papa  na mensagem difundida a 23 de janeiro, por ocasião do 55º Dia mundial das comunicações sociais — que em vários países é celebrado este ano a 16 de maio, solenidade da Ascensão  do Senhor — centrada no tema «“Vem e verás” (Jo 1, 46). Comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são».

Mensagem do Papa Francisco


Encontro, experiência, responsabilidade


«Desejo dedicar a Mensagem à chamada a “ir e ver”, como sugestão para toda a expressão comunicativa que quiser ser transparente e honesta». Na Mensagem para o Dia mundial das comunicações sociais de 2021, o Papa inspira-se no primeiro capítulo do Evangelho de João, onde são narrados «os primeiros encontros emocionantes de Jesus com os discípulos». Francisco recordou-nos várias vezes que, sobretudo nos momentos de crise, é precioso voltar com a mente e o coração ao “primeiro amor”, e assim faz João, como o Papa escreve: «Passado mais de meio século, quando João, já muito idoso, escreve o seu Evangelho, recorda alguns detalhes “de crónica” que revelam a sua presença no local e o impacto que teve na sua vida aquela experiência: “era cerca da hora décima”, observa ele! Isto é, às quatro horas da tarde». A João e André o Senhor dirigiu o convite «vinde e vereis», precedido por uma pergunta: «Que procurais?», e daquele diálogo eles recordarão tudo para sempre, até o horário. Ótimos “jornalistas”. O que tinha acontecido? Certamente, o que está indicado no título da Mensagem: «Comunicar encontrando pessoas onde estão e como são». Jesus comunicou com os dois discípulos, indo ao “encontro” deles, entrando em contacto com a sua vida concreta, mostrando-se interessado na sua condição de “investigadores”. Não se contentou com um juízo prévio, com uma sua “ideia”, mas criou as condições para um encontro real, indo “ver” pessoalmente e de modo mais profundo, pedindo-lhes que fizessem o mesmo. Este estilo de Jesus indica um “método”, diz o Papa, que se revela precioso para qualquer agente da comunicação que hoje é impelido, inclusive pelo poder da tecnologia à disposição, a trabalhar «sem nunca sair à rua, sem “gastar a sola dos sapatos”, sem encontrar pessoas para procurar histórias ou verificar com os próprios olhos determinadas situações», mas este modo de comunicar é uma contradição evidente da própria missão, pois «se não nos abrimos ao encontro, permanecemos espetadores externos, apesar das inovações tecnológicas, com a capacidade que têm de nos apresentar uma realidade amplificada onde nos parece estar imersos. Todo o instrumento só é útil e válido, se nos impelir a ir e ver coisas que de outra forma não chegaríamos a saber, se colocar em rede conhecimentos que de outro modo não circulariam, se consentir encontros que de outra maneira não teriam lugar».

Por conseguinte, são três as palavras que emergem vigorosamente de uma primeira leitura desta Mensagem (seguir-se-ão outras, pois trata-se de um texto denso, que merece mais aprofundamentos): encontro, experiência e responsabilidade.

Encontro significa proximidade, presença, acolhimento. Em primeiro lugar, acolhimento da realidade do outro. Este é também o significado da segunda palavra “experiência” que, para citar uma válida expressão, significa que “a realidade supera a ideia”. Dizemos “fazer uma experiência” mas também o oposto é verdade, pois é a experiência que “faz” o homem. Um homem “de experiência” é um homem que vai e vê e, portanto, pode narrar. Ir ver significa também deixar-se ver, aceitar “ser visto” (é o que acontece ao apóstolo Natanael, no mesmo episódio dos dois primeiros discípulos que encontram Jesus). É um trabalho arriscado ser comunicador com este estilo, baseado na experiência direta, pois é preciso estar pronto para se pôr em jogo e para se despojar. Se quisermos encontrar os outros “onde estão e como são”, isto é válido também para nós mesmos: tal como somos, com todas as nossas luzes, sombras, talentos e fragilidades. Encontrar e viver a experiência significa tornar-se responsável. O impacto com a realidade transforma-nos e, inevitavelmente, nasce o impulso a dar testemunho do que vimos e do que nos “tocou”. Quando cruzo o olhar de outro ser humano, quer queira quer não, torno-me responsável por ele, assumo o seu “fardo”. O Papa diz claramente: «Todos somos responsáveis pela comunicação que fazemos, pelas informações que damos, pelo controle que podemos conjuntamente exercer sobre as notícias falsas, desmascarando-as. Todos somos chamados a ser testemunhas da verdade: ir, ver e partilhar».

O tema da responsabilidade da e na comunicação é muito importante para este jornal (que em 30 de novembro de 2019 organizou uma mesa redonda exatamente sobre este tema); é um tema importante e complexo, e para o abordar é necessário voltar, à luz do texto da Mensagem do Papa, ao primeiro ponto, o do encontro, consciente de que, quando um encontro (verdadeiro) tem lugar, acontece algo mais do que a simples aproximação entre seres humanos. Quando duas pessoas se encontram “verdadeiramente”, não há apenas só as duas, mas há uma abertura a algo mais, a outra pessoa. O encontro dá origem a uma experiência que, se for assim, acaba por transformar os protagonistas daquele momento, impelindo-os a outras experiências semelhantes. O encontro é “contagioso”, gera testemunhas, comunicadores, relança a busca incansável do homem.

O Evangelho de João começa com a pergunta de Jesus aos dois discípulos: «Que procurais?» e conclui-se com outra interrogação, muito semelhante, que Jesus dirige a Maria Madalena: «Quem procuras?» (Jo 20, 15). Nesta passagem quase impercetível do que para quem está todo o sentido da vida para o cristão e para todos os honestos investigadores e comunicadores da verdade.

Andrea Monda