Anunciou o Pontífice numa mensagem de vídeo ao Climate ambition summit 2020

Vaticano com “emissões zero” até 2050

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
22 dezembro 2020

«O Estado da Cidade do Vaticano compromete-se a reduzir as emissões líquidas a zero antes de 2050» e «a Santa Sé a promover a educação para a ecologia integral», anunciou o Papa Francisco através da mensagem em vídeo com a qual interveio a 12 de dezembro no High Level Virtual Climate Ambition Summit 2020, organizado pela Grã-Bretanha e França, em parceria com o Chile e a Itália.

A atual pandemia e as alterações climáticas, que têm relevância não só ambiental mas também ética, social, económica e política, atingem, acima de tudo, a vida dos mais pobres e frágeis. Desta forma, apelam à nossa responsabilidade de promover, através de um compromisso coletivo de solidariedade, uma cultura do cuidado que ponha no centro a dignidade humana e o bem comum.

Além da adoção de certas medidas que não podem ser adiadas por mais tempo, é necessária uma estratégia para reduzir a zero as emissões líquidas (net-zero emission).

A Santa Sé une-se a este objetivo, avançando em dois níveis:

1. Por um lado, o Estado da Cidade do Vaticano compromete-se a reduzir a zero as emissões líquidas antes de 2050, intensificando os esforços de gestão ambiental, já em curso há alguns anos, que tornem possível a utilização racional de recursos naturais, tais como água e energia, eficiência energética, mobilidade sustentável, reflorestação e economia circular também na gestão de resíduos.

2. Além disso, a Santa Sé compromete-se a promover a educação para a ecologia integral. As medidas políticas e técnicas devem ser associadas a um processo educativo que favoreça um modelo cultural de desenvolvimento e sustentabilidade centrado na fraternidade e na aliança entre os seres humanos e o meio ambiente. Nesta perspetiva, inaugurei o Pacto educativo global, para acompanhar escolas e universidades católicas, frequentadas por mais de setenta milhões de estudantes em todos os continentes; e apoiei a Economia de Francisco, através da qual jovens economistas, empresários, especialistas em finanças e no mundo do trabalho, promovem novos caminhos que superem a pobreza energética, que ponham o cuidado dos bens comuns no centro das políticas nacionais e internacionais, e que favoreçam a produção sustentável também em países de baixo rendimento, partilhando tecnologias avançadas apropriadas.

Chegou o momento de uma mudança de rumo. Não roubemos às novas gerações a esperança num futuro melhor. Obrigado!