· Cidade do Vaticano ·

O Sumo Pontífice celebrou a missa para o v Dia mundial dos pobres na basílica de São Pedro

Curar a dor de hoje para alimentar a esperança de amanhã

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
16 novembro 2021

«Somos chamados a descobrir Cristo nos pobres, a emprestar-lhes a nossa voz nas suas causas, mas também a ser seus amigos, a ouvi-los, a compreendê-los e a acolher a misteriosa sabedoria que Deus nos deseja comunicar através deles». Com este tweet, lançado no início da tarde de sábado 13 de novembro na conta @Pontifex, o Papa Francisco manteve acesos os holofotes sobre o Dia mundial dos pobres, cuja quinta edição foi celebrada no dia seguinte, 33º domingo do tempo comum, quando o Pontífice presidiu à santa missa na basílica de São Pedro, na presença de duas mil pessoas necessitadas, assistidas por várias instituições de caridade que trabalham na cidade de Roma. No final da celebração, aos participantes foram distribuídas refeições quentes.

Sucessivamente, da janela do Palácio apostólico, o Santo Padre guiou a recitação da tradicional prece mariana dominical e, no final do Angelus, voltou a recordar a importância do Dia mundial dos pobres, lançando também um apelo relativo às mudanças climáticas: «O clamor dos pobres, unido ao clamor da Terra, ressoou nos últimos dias na Conferência das Nações Unidas sobre as mudanças climáticas» (Cop26), em Glasgow. «Encorajo — insistiu o Pontífice — todos aqueles que desempenham cargos de responsabilidade política e económica a agir imediatamente, com coragem e clarividência e, ao mesmo tempo, convido todas as pessoas de boa vontade a exercer a cidadania tendo em vista o cuidado da nossa casa comum», reiterou.

«Com esta finalidade, precisamente hoje, data em que se celebra o Dia mundial dos pobres — acrescentou Francisco — abrem-se as inscrições na plataforma Laudato si', que promove a ecologia integral».

Páginas 2 e 3