· Cidade do Vaticano ·

Resistência indígena

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
05 outubro 2021
Adestruição da floresta amazónica (que este ano teve um aumento de 54% em relação a 2020) traduz-se inexoravelmente numa agressão direta contra os povos indígenas, que são os seus habitantes ancestrais: 390 povos que mal chegam a dois milhões, e 116 grupos de “isolados” — os mais vulneráveis — que se escondem na floresta, recusando qualquer contacto. A agressão aumenta e sitia-os em todas as frentes. Há muitos inimigos destes povos pacíficos, dotados de uma extraordinária sabedoria ancestral que, num diálogo que respeita os seus direitos e identidade, poderia também “curar” a doença na alma do homem ocidental a que chamamos crise ecológica e emergência climática. Antes de mais, são os ...

Este conteúdo é reservado aos Assinantes

paywall-offer
Estimada Leitora, querido Leitor,
la leitura de L’Osservatore Romano em todas as suas edições é reservada aos Assinantes

Ao fazer a assinatura até 30 de Novembro poderá usufruir do preço promocional de 20 euros por ano.