· Cidade do Vaticano ·

Rumo à XVI assembleia geral ordinária

«Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação
e missão»

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
09 junho 2021

Nota do Sínodo dos bispos


Em 24 de abril de 2021, o Papa Francisco aprovou um novo itinerário sinodal para a xvi Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, inicialmente prevista para outubro de 2022, sobre o tema «Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão». A Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos, com o consentimento do Conselho ordinário, propôs as modalidades inéditas para o caminho rumo à Assembleia.

O percurso para a celebração do Sínodo será dividido em três fases, entre outubro de 2021 e outubro de 2023, passando por uma fase diocesana e uma continental, que darão origem a dois diferentes Instrumentum laboris, até à fase final a nível de Igreja Universal.

O Sínodo dos Bispos é o ponto de convergência do dinamismo da escuta recíproca no Espírito Santo, realizada a todos os níveis da vida da Igreja (cf. Discurso do Santo Padre Francisco em comemoração do cinquentenário da instituição do Sínodo dos Bispos, 17 de outubro de 2015). A articulação das várias fases do processo sinodal permitirá, assim, ouvir verdadeiramente o Povo de Deus e garantirá a participação de todos no processo sinodal. Não é apenas um evento, mas um processo que envolve em sinergia o Povo de Deus, o Colégio episcopal e o Bispo de Roma, cada qual de acordo com a própria função.

Portanto, o caminho rumo à xvi Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos realizar-se-á do seguinte modo:

Abertura do Sínodo
(outubro de 2021)


A abertura do Sínodo terá lugar tanto no Vaticano como em cada diocese. O caminho será inaugurado pelo Santo Padre no Vaticano nos dias 9-10 de outubro.

Com as mesmas modalidades, no domingo 17 de outubro, abrir-se-á nas dioceses, sob a presidência do respetivo bispo.

Fase diocesana
(outubro de 2021
— abril de 2022)


O objetivo desta fase é a consulta do Povo de Deus (cf. Episcopalis communio, 5, 2) para que o processo sinodal se realize à escuta da totalidade dos batizados, tema do sensus fidei infalível in credendo.

A fim de facilitar a consulta e a participação de todos, apresenta-se o seguinte itinerário:

A Secretaria Geral do Sínodo enviará um Documento preparatório, acompanhado por um Questionário e um Vade-mécum com propostas para a realização da consulta em cada diocese.

O Documento também será enviado aos Dicastérios da Cúria Romana, às Uniões de Superiores / Superioras Maiores e outras uniões / federações de vida consagrada, aos movimentos internacionais de leigos e às Universidades / Faculdades de Teologia.

Cada bispo nomeará um responsável diocesano (eventualmente uma equipe) para a consulta sinodal, que possa servir como ponto de referência e de ligação com a Conferência episcopal e que acompanhe a consulta na Igreja particular em todas as suas fases (antes de outubro de 2021).

Por sua vez, cada Conferência episcopal nomeará um responsável (eventualmente uma equipe) que possa servir como ponto de referência e de ligação quer com os responsáveis diocesanos quer com a Secretaria Geral do Sínodo (antes de outubro de 2021).

A consulta nas dioceses terá lugar através dos órgãos de participação previstos pelo direito, sem excluir outras modalidades que se julguem oportunas para que a própria consulta seja real e eficaz (cf. Episcopalis communio, 6).

A consulta do Povo de Deus em cada diocese concluir-se-á com uma reunião pré-sinodal, que será o momento culminante do discernimento diocesano.

Após o encerramento da fase diocesana, cada diocese enviará as suas contribuições à Conferência episcopal até à data estabelecida pela sua própria Conferência episcopal. Nas Igrejas Orientais, as contribuições serão enviadas aos organismos correspondentes.

Começará um período de discernimento para os pastores reunidos em assembleia (Conferência episcopal), aos quais será pedido que ouçam o que o Espírito suscitou nas Igrejas que lhes foram confiadas.

Participarão no processo de redação da síntese também o responsável da Conferência episcopal, no que se refere ao processo sinodal e à sua equipe, assim como os representantes eleitos para participar na Assembleia Geral Ordinária do Sínodo em Roma, uma vez ratificados pelo Santo Padre.

A síntese será enviada à Secretaria Geral do Sínodo. Serão enviadas também contribuições de cada Igreja em particular (antes de abril de 2022).

Serão recebidas também contribuições enviadas pelos Dicastérios da Cúria Romana, pelas Universidades / Faculdades de Teologia, pela União de Superiores / Superioras Gerais (usg / uisg), por outras Uniões / Federações de Vida Consagrada, e por movimentos internacionais de leigos (antes de abril de 2022).

Secretaria Geral do Sínodo


A Secretaria Geral do Sínodo procederá à redação do primeiro Instrumentum laboris (antes de setembro de 2022).

Fase continental (setembro
de 2022 – março de 2023)


A finalidade desta fase é o diálogo a nível continental sobre o texto do primeiro Instrumentum laboris, realizando um ulterior ato de discernimento à luz das particularidades culturais específicas de cada continente.

A Secretaria Geral do Sínodo publicará e enviará o primeiro Instrumentum laboris (em setembro de 2022).

Por sua vez, cada Reunião internacional das Conferências episcopais nomeará um responsável que possa servir como ponto de referência e de ligação quer com as Conferências episcopais quer com a Secretaria Geral do Sínodo (antes de setembro de 2022).

Discernimento pré-sinodal nas Assembleias continentais. Serão estabelecidos os critérios para a participação dos bispos residenciais e de outros membros do Povo de Deus.

As Assembleias terminarão com a redação de um Documento final, que será enviado à Secretaria Geral do Sínodo (março de 2023).

Contemporaneamente às Reuniões pré-sinodais a nível continental, recomenda-se a realização de Assembleias internacionais de especialistas, que possam enviar as suas contribuições à Secretaria Geral do Sínodo (março de 2023).

A Secretaria Geral do Sínodo procederá à redação do segundo Instrumentum laboris (antes de junho de 2023).

Fase da Igreja Universal (outubro de 2023)


A Secretaria Geral do Sínodo enviará o segundo Instrumentum laboris aos participantes na Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos.

Celebração do Sínodo dos Bispos em Roma, de acordo com os procedimentos estabelecidos na Constituição apostólica Episcopalis communio (outubro de 2023).