· Cidade do Vaticano ·

O Papa visitou a pontifícia Academia eclesiástica

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
09 junho 2021

«Esta mundanidade asfixiante cura-se saboreando o ar puro do Espírito Santo, que nos liberta de estar centrados em nós mesmos, escondidos numa aparência religiosa vazia de Deus. Não deixemos que nos roubem o Evangelho!» (Evangelii gaudium, 97).

Com estas palavras podemos resumir o encontro do Papa Francisco com a comunidade da pontifícia Academia eclesiástica (Pae), que teve lugar na tarde de 27 de maio, na sede da instituição na Piazza della Minerva 74, que há 320 anos forma os futuros representantes pontifícias. Um encontro simples, intenso e familiar, caraterizado pela fraternidade e proximidade do sucessor de Pedro aos jovens sacerdotes que se preparam para viver o seu ministério ao serviço da Igreja e do Santo Padre nas várias missões diplomáticas.

O Papa Francisco, que chegou àquela instituição às 18h30, passou mais de uma hora com os sacerdotes, em diálogo simples e aberto. O presidente, em nome de todos, saudou e agradeceu ao Santo Padre por ter aceite o convite, apresentando a comunidade, composta por 40 presbíteros dos quais 38 são estudantes provenientes de 25 países, e informando-o que, não obstante a crise sanitária causada pela pandemia, se realizaram todas as atividades previstas para o ano académico, ritmadas pela oração, pelo estudo e pelos vários encontros de formação.

Num ambiente familiar, os alunos da Academia fizeram algumas perguntas ao Santo Padre, que não deixou de dar respostas claras, paternas e concretas. Foram abordados inúmeros temas, entre os quais os atuais desafios enfrentados pela Igreja, a missionariedade, o caminho sinodal e o importante papel da diplomacia pontifícia bilateral e multilateral.

O Santo Padre delineou algumas caraterísticas e atenções que o bom diplomata deve cultivar e exercer no seu ministério: ser homens de oração, abertos à escuta do Evangelho, às novidades, mas ao mesmo tempo firmes na Tradição, prontos para o diálogo e o confronto.

Falando sobre a almejada experiência do ano missionário dos alunos, o Papa frisou que este período de formação, passado nas periferias da Igreja universal, enriquecerá a sua bagagem pessoal, humana, cultural e linguística.

Em seguida, o Pontífice jantou com a comunidade da Academia, encorajando de modo especial os 13 alunos que em breve começarão o seu serviço nas representações pontifícias. A bênção apostólica concluiu o encontro e, antes de regressar ao Vaticano, o Santo Padre encontrou-se com as religiosas da “Comunidad apostolica de Maria siempre Virgen”, que prestam serviço na mesma pontifícia Academia eclesiástica.