· Cidade do Vaticano ·

Diante da imagem de Nossa Senhora a súplica do Papa na conclusão da “maratona” de oração

Desata os nós do egoísmo e da indiferença

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
02 junho 2021

«Todos os dias, segurando entre as mãos a coroa do Rosário, dirigimos o nosso olhar para ti, Mãe de misericórdia, suplicando para que acabe a pandemia e a humanidade possa retomar a vida de cada dia com mais segurança”. Com estas palavras o Papa Francisco concluiu na tarde da segunda-feira, 31 de maio, a “maratona” de oração do Terço realizada diariamente durante todo o mês de maio, com a participação dos 30 santuários marianos mais representativos de todos os continentes, cujo tema foi “De toda a Igreja se elevava incessantemente a oração a Deus” (At 12, 5). Com a participação de crianças que receberam a primeira comunhão, crismandos e escoteiros de Roma e da região, a oração do Terço foi feita diante do ícone mariano proveniente de Augsburg, na Alemanha. Trata-se de uma pintura a óleo sobre tela feita pelo pintor alemão Johann Georg Melchior Schmidtner. A pintura retrata Nossa Senhora que desata os Nós, rodeada de cenas bíblicas que se referem simbolicamente a imagens de esperança, misericórdia e vitória sobre o mal. Depois da oração do Terço, houve a coroação da imagem.
Depois da recitação das ladainhas, antes de conceder a bênção apostólica, o Papa Francisco pronunciou a seguinte oração:

Ó Maria, tu sempre resplandeces no nosso caminho como sinal de salvação e esperança. Entregamo-nos a Ti, Saúde dos enfermos, que junto à Cruz estivestes associada à dor de Jesus, mantendo inabalável a tua fé. Tu, que sabes desatar os nós da nossa existência e conheces os desejos do nosso coração, vem em nosso auxílio. Estamos confiantes de que, como em Caná da Galileia, farás com que possa voltar a alegria e a festa nas nossas casas, após este momento de provação. Ajuda-nos, Mãe do Divino Amor, a conformar-nos à vontade do Pai e a fazer aquilo que Jesus nos disser, o qual assumiu os nossos sofrimentos e carregou as nossas dores para nos conduzir, pela Cruz, à alegria da ressurreição.

Amém.

O Santo Padre encerrou a cerimónia agradecendo ao Pontifício Conselho para a Nova Evangelização que organizou a maratona, aos santuários que aderiram à iniciativa com as seguintes palavras:

No final desta maratona de oração para pedir o fim da pandemia e a plena retomada da vida pastoral e social, tenho o prazer de agradecer de forma especial ao Dicastério para a Nova Evangelização e aos trinta Santuários que no decurso deste mês se revezaram na recitação do Rosário sob a presidência dos respetivos Bispos.

Vi tanta participação entre o Povo de Deus, que através dos meios de comunicação e do empenho de tantos Santuários em todo o mundo chegaram a milhões de pessoas, que com uma só voz elevaram a sua oração à Santa Mãe de Deus.

É graças à Diocese de Augsburg que temos aqui a imagem da Knotenlöserin [“que desata os nós”], hoje venerada neste santuário ao ar livre, numa bela cópia feita pela pintora Ana Maria Berti.

Continuemos a pedir ao Senhor que proteja da pandemia o mundo inteiro e que todos, sem qualquer tipo de exclusão, possam em breve ter a possibilidade de se protegerem através da vacina. Boa tarde, obrigado e rezai por mim.