· Cidade do Vaticano ·

«Orientações pastorais para a celebração da Jmj nas Igrejas particulares»

Festa dos jovens

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
26 maio 2021

As «Orientações pastorais para a celebração da Jornada mundial da juventude nas Igrejas particulares», editadas pelo Dicastério para os leigos, a família e a vida, foram apresentadas na manhã de 18 de maio, na sala de imprensa da Santa Sé, pelo secretário do Dicastério e pelo responsável do departamento para os jovens (publicamos a seguir as suas intervenções). O documento está disponível no site www.laityfamilylife.va em cinco línguas e em vários formatos, inclusive numa versão pronta para a impressão.

O desejo de redigir estas Orientações provém da escolha feita pelo Papa Francisco, de mudar a data das Jmj diocesanas e de relançar a celebração destas nas Igrejas particulares. Com efeito, no fim da celebração eucarística na solenidade de Cristo Rei, dia 22 de novembro de 2020, o Santo Padre anunciou que a edição local da jmj, até ali celebrada no Domingo de Ramos, aconteceria no domingo da solenidade de Cristo Rei. Esta mudança de data, ditada principalmente por razões pastorais, mantém o enfoque no “mistério de Jesus Cristo Redentor dos homens” e busca, ao mesmo tempo, ampliar a possibilidade de propor atividades e iniciativas para pôr os jovens sob um holofote que reflete a luz deste mistério.

No documento final do Sínodo dos Bispos sobre os jovens, a fé e o discernimento vocacional, lê-se que a Igreja «considera esta missão uma prioridade pastoral decisiva, na qual deve investir tempo, energias e recursos» (n. 119). E ainda antes, os Padres sinodais escreviam: «A Jornada mundial da juventude [...] e os encontros nacionais e diocesanos desempenham um papel importante na vida de numerosos jovens, porque proporcionam uma experiência viva de fé e de comunhão, que os ajuda a enfrentar os grandes desafios da vida e a assumir responsavelmente o seu lugar na sociedade e na comunidade eclesial» (DF, 16).

Estes encontros, nascidos da intuição profética de São João Paulo ii, foram reconhecidos por muitos como uma fonte de graça para muitos jovens, para a pastoral da juventude e para toda a Igreja. Quantas conversões, quantas vocações nascidas durante as jmj! Segundo o Papa Bento xvi, elas representam um dom providencial para a Igreja, um “remédio contra a dificuldade de crer”. O Papa Francisco definiu-as como um impulso missionário de uma força extraordinária para toda a Igreja, e, em particular, para as jovens gerações.

Portanto, o nosso Dicastério, refletindo sobre como pôr em prática concretamente as propostas do Sínodo, e apoiada pelas suas décadas de experiência na coordenação das jmj, achou por bem reunir num documento alguns elementos essenciais que tornaram fecundo estes encontros ao longo dos anos, para pô-lo à disposição das Igrejas particulares. Lembremo-nos que, desde a instituição da jmj, as Igrejas particulares são convidadas a celebrá-la todos os anos a nível local, enquanto a sua edição internacional se realiza aproximadamente a cada três anos. Sabe-se, porém, que um grande número de jovens, por uma razão ou por outra, não pode participar nos eventos internacionais. Por conta disto, através destas Orientações pastorais, queremos fazer com que todos os jovens tenham parte neste rico patrimônio. Os pastores e diversos serviços pastorais da juventude das Igrejas particulares poderão, assim, com liberdade e criatividade, enriquecer a sua própria experiência local da “festa dos jovens”.

Acreditamos firmemente que a jmj internacional e a sua edição local se alimentam mutuamente. A dimensão internacional dilata os horizontes dos jovens e abre-os à fraternidade universal. A jmj local, devido à sua proximidade geográfica e física, pode gerar mais facilmente um engajamento por parte dos jovens, de modo a mudar o rosto da sociedade em que vivem e aumentar neles o sentimento de pertença.

Estas Orientações foram pensadas para as Conferências episcopais, para os Sínodos das Igrejas patriarcais e arquiepiscopais maiores, para as dioceses/eparquias, para os movimentos eclesiais e por fim, mas não menos importantes, para os jovens do mundo inteiro. Esperemos que todos os destinatários possam encontrar elementos que inspirem um novo impulso à pastoral da juventude em diversas partes do mundo, especialmente neste tempo de pandemia.

Alexandre Awi Mello