· Cidade do Vaticano ·

A bofetada da realidade

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
26 maio 2021

«Deixai-vos esbofetear pela realidade». Assim disse o Papa Francisco falando à redação deste jornal, que recebeu na manhã de 24 de maio a sua visita no Palácio Pio, sede dos meios de comunicação social do Vaticano. Foi uma manhã cheia de emoções fortes, de momentos que não esqueceremos. Em particular, um momento de grande intensidade foi quando o Papa entrou na sala de reuniões do jornal, presenciando como este diário é construído todas as manhãs pela redação. «Por volta das nove horas encontramo-nos para decidir que notícias colocar na página — explicou o redator-chefe Piero Di Domenicantonio — sempre prontos a mudar o layout porque depois chegam outras notícias. A realidade surpreende-nos sempre». «É muito bonito este facto» interveio o Papa «uma coisa são as nossas ideias, outra é a realidade, que é mais forte, maior» e acrescentou: «Deixai-vos esbofetear pela realidade», imitando com o gesto de uma bofetada diretamente na cara. A escritora católica Flannery O’Connor disse que um bom livro é aquele que dá uma bofetada no rosto do leitor, forçando-o a virar um pouco o rosto e assim rever o mundo a partir de outra perspetiva. O mesmo é válido também para um bom jornal. Esbofeteados pela realidade que perturba os nossos esquemas mentais, deveríamos, como bons jornalistas, por nossa vez, dar uma bofetada ao leitor permitindo-lhe um olhar novo, fresco, inédito e invulgar sobre a realidade, aquela que sempre nos surpreende. Isto poupar-nos-ia daquela “previsibilidade” que acaba por se transformar em cinismo. A visita do Papa Francisco pelas salas e corredores das redações dos meios de comunicação do Vaticano teve o sabor deste vento fresco, semelhante ao vento “impetuoso” de Pentecostes, que nos fere a pele e nos desperta do torpor do hábito que, para aqueles que realizam o trabalho diário, é sempre o risco mais grave (o «funcionalismo é letal», disse ele no final da visita na Sala Marconi), um risco que extingue a força vocacional própria da nossa comunicação que está principalmente ao serviço da missão da Igreja. Obrigado Santo Padre por ter vindo aqui, próximo e entre nós, e por nos ter assim incentivado e, de forma paternal, nos ter colocado em crise com o vento fresco da sua presença.

Andrea Monda