· Cidade do Vaticano ·

Ação da pontifícia Academia para a vida

Projetando o pós-Covid

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg
02 março 2021

A pontifícia Academia para a vida quer encarnar-se profundamente na sociedade contemporânea: exigem-no os tempos que a humanidade vive e a continuidade com o mandato recebido, reiterou o presidente arcebispo Vincenzo Paglia inaugurando, a 16 de fevereiro, os trabalhos do seminário de estudo online com a participação de mais de cem professores conectados das várias sedes na Europa, África, Ásia e América.

«Ao mundo científico, e particularmente à nossa Academia, disse o arcebispo, é pedido hoje que oriente decididamente o olhar para o futuro e trabalhe intensamente para construir um porvir melhor para cada ser humano».

Precisamente nesta ótica, o prelado anunciou que a próxima assembleia da pontifícia Academia terá lugar de 27 a 29 de setembro, sobre o tema: «Saúde pública numa perspetiva global. O caso Covid-19». O objetivo do encontro, explicou, é trocar opiniões com peritos internacionais, a fim de «desenvolver em conjunto uma reflexão minuciosa sobre o futuro que imaginamos depois da atual pandemia».

Entretanto, o trabalho do seminário desenvolveu-se a partir do conteúdo de duas cartas encíclicas do Papa Francisco Laudato sì' e Fratelli tutti.

A professora M. Therese Lysaught, da Loyola University de Chicago, abordou a ligação entre as duas encíclicas, convidando a responder «nas práticas concretas de amizade social, entre as pessoas e com a criação, para promover uma ecologia integral e cuidar da terra e das nossas comunidades».

O professor alemão Felix Löwenstein, presidente do Bund Ökologische Lebensmittelwirtschaft, examinou as questões relacionadas com a “biodiversidade”. Indicando os dramas da poluição, exortou a «questionar-nos sobre os vínculos económicos» que estão na sua origem, e sobre «o modo de reconhecer quando uma inovação é progresso e quando simplesmente nos aproxima do abismo».

Concluindo, o professor Mounir Farag, docente na Senghor University de Alexandria no Egito, fundador e diretor do St. Joseph Institute for family and pro vita, recordou que a pandemia «nos ensinou como é importante cuidar uns dos outros, e da criação, nos nossos esforços para construir uma sociedade mais fraterna».

No final do encontro, o arcebispo Paglia salientou a importância de uma reflexão teológica e científica capaz de ir além do “já conhecido”, para que intelectuais, humanistas e cientistas saibam enfrentar os tempos de mudança. Neste sentido, o Papa indica um caminho, acrescentou, e cabe a nós «continuar, alargar o espaço de reflexão sobre todas as dimensões do termo “vida”».