· Cidade do Vaticano ·

Respeito pelos recursos do planeta

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg

Intenção de oração para o mês de setembro

08 setembro 2020

«Não ao saque, sim à partilha». Eis o vigoroso convite de Francisco por ocasião do Dia mundial de oração pelo cuidado da criação, cinco anos após a publicação da Laudato si'. No vídeo da Rede mundial de oração do Papa dedicado à intenção para o mês de setembro — sobre o tema «Respeito pelos recursos do planeta» — o Pontífice exorta-nos a rezar para que «os recursos do planeta não sejam pilhados, mas partilhados de  forma justa e respeitosa».

Na curta-metragem —  apresentada a 31 de agosto — há imagens que ilustram situações de exploração intensiva dos recursos naturais, a começar pelas do subsolo e das florestas. Imediata é a referência à Amazónia e a todas as suas atividades. É possível ver tratores e veículos pesados que talvez extraiam metais para serem enviados para a indústria nos países desenvolvidos. A voz do Papa é clara e vigorosa: «Estamos a espremer os bens do planeta. Espremendo-os, como se fosse uma laranja». De facto, «países e empresas do Norte enriqueceram-se  explorando os dons naturais do Sul, gerando uma “dívida ecológica”». Uma pergunta surge espontaneamente: «Quem pagará esta dívida?».

As palavras do Pontífice provocam outra reflexão: «A “dívida ecológica” — recorda — aumenta quando as multinacionais fazem fora do seu país o que  no  próprio não é permitido. Causa indignação». É por isso que Francisco nos convida a agir antes que seja demasiado tarde: «Hoje, não amanhã, hoje, temos de cuidar da Criação com responsabilidade».

O vídeo mostra ainda imagens de chaminés que envenenam o ar com a sua  fumaça negra. E é possível ver bairros de lata que as alterações climáticas tornam cada dia mais frágeis e precários para aqueles que são forçados a viver lá. O filme termina com a assinatura de um acordo entre um homem de negócios e um representante de um povo sul-americano. Desta vez o contrato para a utilização dos recursos é justo e equitativo.

Distribuído como habitualmente através do site http://www.thepopevideo.org,  o filme —  traduzido em nove línguas —  foi elaborado  e produzido pela Rede mundial de oração do Papa em colaboração com a agência La Machi e o Dicastério para a  Comunicação.