· Cidade do Vaticano ·

O agradecimento do Papa aos funcionários do Vaticano

cq5dam.thumbnail.cropped.500.281.jpeg

Numa carta do Cardeal Secretário de Estado aos chefes dos Dicastérios da Cúria Romana

07 abril 2020

«O agradecimento do Santo Padre» foi expresso pelo Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin — juntamente com seu agradecimento “pessoal" — a «todos os leigos, religiosas e sacerdotes que prestam serviço à Santa Sé» neste período dramaticamente marcado pela pandemia causada pelo coronavírus.

Através de uma carta enviada  aos chefes dos Dicastérios da Cúria Romana, o cardeal dirige aos funcionários do Vaticano um encorajamento para enfrentar o «sacrifício que se pede», dizendo — ciente das «preocupações», das «dificuldades» e dos «esforços» diários  — grato «pelo espírito de disponibilidade» com que dão continuidade ao «trabalho, seguindo cuidadosamente as medidas cautelares que foram dispostas para limitar o mais possível o contágio».

A carta começa por lembrar que «já se passaram várias semanas desde que os primeiros casos de infecção de Covid-19 foram confirmados na Itália». Desde então, continua o Cardeal Parolin, o vírus, «agressivo e difícil de conter», não poupou nem sequer «o Estado da Cidade do Vaticano e a Cúria Romana». Apesar disso — assinala — mesmo procurando «salvaguardar a saúde» dos funcionários, «os departamentos permaneceram abertos, a fim de garantir o exercício do Ministério Petrino».

E embora reafirmando a necessidade de se «isolar», o cardeal assinala que se pediu aos funcionários que continuassem, embora «de forma reduzida, alternada e flexível», a «ir para o escritório» ou, «sempre que possível,  desempenhar as atividades  em casa».  No caso que a  criticidade persista, o  Secretário de Estado recomenda «com insistência para encorajar e implementar o máximo possível» o trabalho descentralizado, e concluiu  garantindo a proximidade na oração também aos familiares dos funcionários.