Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Vi que a vida recomeça

· Bento XVI entre as populações vítimas do terramoto da Emilia Romagna ·

«Pode-se construir, pode-se reconstruir». No coração da Emilia arrasada pelo terramoto o Papa declina realismo e esperança. «Somos pequenos, frágeis – reconhece – mas protegidos» nas mãos de Deus, «confiados ao seu Amor que é sólido como uma rocha». Por isso, há necessidade de «paciência e determinação» para não perder a confiança e para reencontrar a força para se voltar a erguer. «Vi que a vida recomeça», diz olhando à sua volta. Palavras que ressoam como uma pequena injecção de confiança para tantas pessoas que na manhã de terça-feira, 26 de Junho, se reuniram em Rovereto di Novi para receber Bento XVI em visita às áreas atingidas pelo terramoto.

Tendo chegado em helicóptero ao campo desportivo de San Marino di Carpi, o Pontífice deslocou-se de carrinha às terras da região de Modena, parando diante da igreja de Santa Catarina de Alessandria, em cujo desabamento de 29 de Maio perdeu a vida o pároco, Pe. Ivan Martini. Ao prestar homenagem à sua memória, o Papa dirigiu um pensamento agradecido a todos os sacerdotes mas também aos representantes do voluntariado e dos diversos organismos sociais e religiosos comprometidos em «oferecer um testemunho concreto de solidariedade e unidade».

«Senti a necessidade sempre mais forte de vir pessoalmente até vós», confidenciou ao povo que o ouvia em silêncio. «Gostaria – acrescentou – que todos, em todas as cidades, sentísseis como o coração do Papa está próximo do vosso coração para vos confortar, mas sobretudo para vos encorajar e apoiar». Com efeito, também no receio e na angústia, é possível experimentar «a certeza de que Deus está connosco, como a criança que sabe que pode contar sempre com a sua mãe e o seu pai, porque se sente amado, querido, aconteça o que acontecer».

Por isso não se deve ceder à tentação do desencorajamento e do desespero. «Não estais e nunca estareis sós!», exclamou Bento XVI lançando «um forte apelo às instituições» e «a cada cidadão» para que a indiferença ceda o lugar ao amor e à solidariedade em relação a quem se encontra em necessidade.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

13 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS