Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Vergonha, arrependimento, esperança

· ​Oração do papa no final da Via-Sacra no Coliseu ·

Vergonha, arrependimento, esperança: eis as três palavras-chave da oração do Papa Francisco para a tradicional Via-Sacra presidida no Coliseu na noite da Sexta-feira Santa, 30 de março, na presença de vinte mil fiéis.

No final das catorze estações – cujas meditações este ano foram confiadas a um grupo de jovens romanos – o Pontífice tomou a palavra em frente do anfiteatro Flávio, dirigindo ao Senhor uma invocação que brota de «um olhar cheio de vergonha». Vergonha, cadenciou, por «te ter deixado só, a sofrer pelos nossos pecados», e por «termos escapado diante da prova», por «termos escolhido Barrabás, não a ti, o poder e não a ti, a aparência e não a ti, o deus-dinheiro e não a ti, a mundanidade e não a eternidade», por «te termos tentado com a boca e com o coração». Vergonha, acrescentou, «porque muitas pessoas, mesmo alguns ministros teus, se deixaram enganar pela ambição e pela glória vã», e «porque as nossas gerações estão a deixar aos jovens um mundo fragmentado pelas divisões e pelas guerras; um mundo devorado pelo egoísmo, onde os jovens, os pequenos, os doentes, os idosos são marginalizados». Por fim, vergonha, também de «termos perdido a vergonha».

Daqui o pedido de «arrependimento» que «deriva da certeza de que só tu podes salvar-nos do mal, só tu podes curar-nos da lepra de ódio, egoísmo, soberba, avidez, vingança, ganância, idolatria». Com o convite à «esperança» fundada nos jovens, que permanecem «sempre vivos de caridade e de gratuitidade neste mundo devorado pela lógica do lucro e do ganho fácil»; nos missionários que continuam a «desafiar a consciência adormecida da humanidade arriscando a vida para servir a ti nos pobres, nos descartados, nos imigrados, nos invisíveis, nos explorados, nos famintos e nos encarcerados»; na Igreja que «ainda hoje, não obstante todas as tentativas de a desacreditar», permanece «uma luz que ilumina, encoraja, alivia e testemunha o teu amor».

Precedentemente, na basílica de São Pedro, teve lugar a celebração da Paixão do Senhor.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS