Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Urgência da paz na Síria

· Na audiência geral o apelo do Papa Francisco no início das negociações internacionais e a oração pela unidade entre os cristãos ·

O Papa Francisco não quis deixar faltar o seu apoio pessoal ao laborioso empenho da comunidade internacional para construir a paz na Síria. Portanto, durante a audiência geral desta manhã, quarta-feira 22 de Janeiro, enquanto em Montreux iniciava a conferência internacional para o país do Médio Oriente - um prólogo às negociações que a partir de 24 de Janeiro serão realizadas em Genebra e nas quais participará uma delegação da Santa Sé composta pelo arcebispo Silvano M. Tomasi, observador permanente no Gabinete das Nações Unidas e Instituições especializadas em Genebra, e monsenhor Alberto Ortega Martín, oficial da Secretaria de Estado – o Pontífice renovou o seu convite a fim de que não seja poupado «esforço algum para alcançar com urgência a cessação da violência e o fim do conflito». 

O Papa Francisco desejou «um caminho firme de reconciliação, de concórdia e de reconstrução, com a participação de todos os cidadãos», convidando-os a ver no outro «não um inimigo, nem um concorrente mas um irmão que deve ser acolhido e abraçado».

Pouco antes, o Papa Francisco tinha proposto aos fiéis presentes na praça de São Pedro para a audiência geral, uma reflexão sobre a Semana de oração pela unidade dos cristãos, iniciada no sábado passado 18 de Janeiro.

Depois de ter explicado as origens desta «iniciativa espiritual, mais preciosa do que nunca», já capaz de abranger todas as comunidades cristãs, o Pontífice denunciou «o escândalo das divisões» que ainda subsistem. «O nome de Cristo – disse com vigor – cria comunhão e unidade, não divisão! Ele veio para fazer comunhão entre nós, não para nos dividir». Também porque as divisões, acrescentou, «enfraquecem a credibilidade e a eficácia do nosso compromisso de evangelização e correm o risco de esvaziar a Cruz do seu poder». Para alcançar o dom da unidade, concluiu, são necessárias muita oração, humildade, reflexão e conversão constante.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS