Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A unidade prevaleça
sobre os conflitos

· Falando aos bispos da Guiné o Pontífice dirige o olhar para a situação mundial e no Angelus recorda que a misericórdia de Jesus é maior que os preconceitos ·

Só permanecendo unidos no amor podemos dar testemunho da verdade anunciada pelo Evangelho e oferecer «a este mundo ferido por tantos conflitos» a possibilidade de se transformar numa comunidade «autenticamente fraterna e reconciliada». Recebendo na manhã de 24 de Março os membros da Conferência episcopal da Guiné em visita ad limina, o Papa propôs uma citação da sua exortação apostólica Evangelii gaudium para afirmar a necessidade do testemunho do amor que une os filhos de Deus, tornando-os capazes de ser «luz que atrai», favorecendo o nascimento de uma sociedade fraterna e solidária onde a vontade de estar juntos predomina sobre os vários conflitos que ainda hoje dividem a humanidade. «Divisões e discórdias entre cristãos – esclareceu a este propósito – são o maior obstáculo para a evangelização», porque «favorecem o crescimento de grupos que se aproveitam da pobreza e da credulidade das pessoas para lhes propor soluções fáceis mas ilusórias dos problemas». Depois, o Papa convidou os bispos a insistir sobre a formação dos leigos comprometidos, em particular os catequistas que «realizam um trabalho insubstituível na evangelização». Do mesmo modo, recomendou atenção especial às famílias, às quais deve ser proposto sem ambiguidade o modelo cristão perante uma mentalidade que dá amplo espaço à poligamia.

Entre as preocupações o Santo Padre indicou as condições de extrema pobreza do país. Não obstante a escassez de meios à disposição, convidou a fazer sentir a presença da Igreja ao lado dos mais necessitados, assistindo-os espiritual e materialmente. Depois, pediu maior proximidade aos sacerdotes, a fim de que sejam testemunhas coerentes do amor misericordioso de Jesus.

Um amor para o qual o Pontífice chamou a atenção também dos fiéis que, a 23 de Março, participaram no encontro para a recitação do Angelus na praça de São Pedro. «A misericórdia – disse – é maior que os preconceitos e Jesus é muito misericordioso». «Cada encontro com Jesus muda a nossa vida, enchendo-a de alegria», repetiu no final da prece mariana, convidando os presentes a recordar sempre estas duas frases: «O encontro com Jesus muda a nossa vida; cada encontro com Jesus enche-nos de alegria». No final recordou a celebração do Dia mundial da tuberculose, a 24 de Março, e o especial momento penitencial denominado «24 horas para o Senhor» que, previsto para os próximos dias 28-29, começará com uma celebração na basílica de São Pedro e continuará, durante a noite, em várias igrejas de Roma.  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

15 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS