Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Unanimidade é a palavra-chave do concílio pan-ortodoxo

· O patriarcado de Moscovo reafirma a importância do princípio do consenso de todas as Igrejas ·

Cada decisão, quer durante a preparação do concílio pan-ortodoxo quer durante o próprio concílio, deve ser tomada exclusivamente com base numa expressão unânime da vontade de todas as Igrejas locais e não simplesmente por maioria dos votos. Eis quanto foi reafirmado pelo Concílio dos bispos da Igreja ortodoxa russa numa das resoluções aprovadas nos últimos dias, no final da reunião realizada na catedral de Cristo Salvador em Moscovo. Não é possível ter em conta – realça-se – a opinião do clero e dos fiéis na perspectiva da convocação do concílio pan-ortodoxo. Daqui a importância de um acordo prévio entre as Igrejas ortodoxas locais sobre a adopção do regulamento, a ordem do dia e o protocolo dos ofícios litúrgicos, assim como sobre os esboços dos principais documentos conciliares.

«A preparação do futuro, santo e grande concílio da Igreja ortodoxa deve ser caracterizada – lê-se no site do Departamento para as relações eclesiásticas externas (Decr) do Patriarcado de Moscovo – por uma atenção especial à salvaguarda da pureza da doutrina ortodoxa e por um amplo debate sobre os decretos em preparação». Além disso, é necessário que «o presidium do concílio pan-ortodoxo seja composto pelos primazes de todas as Igrejas ortodoxas locais» e que «o episcopado das Igrejas locais seja representado no mais alto nível durante o concílio».

A preparação do grande concílio pan-ortodoxo avança há decénios entre muitas dificuldades. O último encontro da comissão encarregada remonta ao mês de Fevereiro de 2011 no Centro ortodoxo do Patriarcado ecuménico em Chambésy, na Suíça, sob a presidência do metropolita de Pergamo, Giovanni (Zizioulas). Como evidenciou o comunicado final, não foi encontrado um acordo unânime nem sobre a questão da autocefalia e do modo de a proclamar nem sobre a questão da inscrição de uma Igreja nos dípticos de todas as Igrejas ortodoxas autocéfalas. Ambos os temas serão abordados novamente na próxima reunião.

Sobre o evento expressou-se várias vezes o metropolita Hilarion, presidente do Decr. Há um ano, perante a Assembleia dos bispos ortodoxos da França, reafirmou a importância do princípio do consenso para alcançar qualquer decisão relacionada com o concílio. Com efeito, só deste modo «a voz de cada Igreja, inclusive a da menos numerosa, será ouvida e será considerada a sua posição. Isto é particularmente importante para a recepção ulterior das escolhas do pleroma da Igreja.

Devemos fazer todo o possível para evitar novas divisões», frisou Hilarion, recordando também como a preparação do concílio pan-ortodoxo está extremamente ligada à questão da organização da diáspora ortodoxa.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS