Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma nova relação com os bens alimentares e o meio ambiente

· Em Washington o encontro da Ecumenical Advocacy Days for Global Peace with Justice ·

«O amor de Deus é o fio condutor de toda a história bíblica: este amor manifesta-se também através do dom dos alimentos oferecidos a cada homem e mulher»: esta é a reflexão que está na base do encontro ecuménico, cujo título é «At God's Table: Food Justice for a Healthy World», que se realizará em Washington de 5 a 8 de Abril.

A iniciativa é promovida pela Ecumenical Advocacy Days for Global Peace with Justice (Ead), organização cristã para a promoção do diálogo ecuménico no testemunho quotidiano do Evangelho, com sede nos Estados Unidos. A Ead tem como objectivo realizar a unidade dos cristãos através da definição de programas concretos com os quais fortalecer o testemunho comum sobre alguns temas, como por exemplo a luta pela paz fundada sobre a justiça, a partir dos Estados Unidos, mas sem se limitar ao horizonte nacional. Na escolha do tema para o encontro anual, que chegou à décima primeira edição, foi  importante o apelo à Sagrada Escritura, à luz da qual  inserir a reflexão sobre a fome no mundo e a sua relação com a salvaguarda da criação.

Desde há anos, a Ead é particularmente activa sobre estes temas, também com uma série de iniciativas locais, que se realizam graças à actividade e participação qualificada dos católicos. Segundo a organização, os cristãos devem denunciar uma sociedade na qual «a produção de alimentos parece obedecer à lógica pela qual cada vez mais áreas agrícolas devem ser destinadas a cultivos para combustíveis; deve-se conviver com o desperdiço de um terço dos alimentos comprados e cozinhados e deve-se aceitar como inelutável o facto de que milhões de homens e mulheres sejam condenados à fome». Esta situação, observa-se, não diz respeito só a algumas partes do mundo, mas aos próprios Estados Unidos, onde «milhões de pessoas vivem numa situação de insegurança alimentar, por vezes sofrendo a fome ou recorrendo a alimentos pouco saudáveis». O sistema de produção alimentar a nível nacional e global, acrescenta-se, «perdeu de vista a centralidade da sua dimensão humana. O alimento é considerado como um produto entre muitos outros, sobre o qual é possível e se deve especular».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS