Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma mulher de paz

Analisando a situação atual da Irlanda do Norte, David Stevens, ex-líder da Corrymeela Community, observou que há uma prevalência da paz de trégua sobre a mais profunda paz de transformação, ou seja, a situação na qual as atitudes e as relações podem ser mudadas. A primeira pode realizar-se através dos instrumentos políticos do processo de paz, enquanto a fé e a espiritualidade, ao contrário, podem ajudar a passar da paz de trégua para a paz de transformação. Segundo a reverenda doutora Ruth Patterson, diretora de Restoration Ministries, «qualquer processo de paz se tornará uma realidade unicamente quando mudarem as atitudes». As atitudes podem mudar de maneira gradual, construindo relações com quantos são diversos de nós, aceitando o risco de ser abertos e vulneráveis.

Escultura de Maurice Harron «Hands Across the Divide» inaugurada em 1992 em Derry na Irlanda do Norte.

A doutora Patterson é uma ministra presbiteriana, primeira mulher na ilha irlandesa a ser ordenada por uma qualquer denominação, sendo também uma pessoa de grande profundidade e intuito. No início deste ano celebrou quarenta anos de ministério. A Irlanda do Norte deixou para trás um passado atormentado, mas houve pessoas e organizações que encarnaram a esperança e foram instrumento de cura.

Uma destas pessoas é precisamente a reverenda Patterson, cujo caminho de fé e cuja vocação foram fundamentais para o início de Restoration Ministries, grupo cristão nascido na Irlanda do Norte, que trabalha a favor da paz, da restauração e da cura desde 1988. Antes daquela data, Ruth Patterson era ministra numa paróquia presbiteriana, e a decisão de deixar a paróquia para trabalhar a tempo inteiro em Restoration Ministries foi, como ela mesma diz, a escolha mais importante da sua vida.

Na Restoration Ministries é dada grande ênfase à hospitalidade, à oração e à escuta; por outras palavras, a abordagem baseia-se numa tradição espiritual cristã profunda. O aspeto público do ministério da senhora Patterson é absorvido pelos seus compromissos como oradora, enquanto que o privado, ao contrário, pelo ministério da escuta. O seu ministério de escuta e de oração, graças ao qual as pessoas podem encarar recordações dolorosas num ambiente confidencial, ajudou muitas pessoas a rever e, numa certa medida a curar, partes exiladas de si mesmas. A sua abordagem de escuta, oração e perdão favorece a esperança e alimenta a vida interior. Como afirma Ruth Patterson, «as pessoas não conseguirão ir além enquanto alguém não tiver ouvido a sua história». A abordagem de Restoration Ministries é sensível e não assertiva: deixa-se cada uma das pessoas livres de estabelecer quanto, naquele momento particular, deseja ir longe e em profundidade no seu caminho de cura e de reconciliação.

A finalidade de Restoration Ministries é ajudar as pessoas a dar pelo menos um passo em frente e um passo mais em profundidade no seu caminho de vida e de fé. Ruth Patterson ensina que «é no âmbito da alma, isto é, na nossa mente, nas nossas emoções e na nossa vontade que surge a maior parte das nossas dificuldades». Está muito ciente da necessidade de reconciliação entre as diversas comunidades na Irlanda do Norte: «São pouquíssimas – sempre que as haja – as situações conflituais no mundo, cuja causa deriva do momento presente. Provém quase sempre de um toque de tambor ancestral, onde um sentido de ofensa, injustiça ou abuso, real ou imaginário, permaneceu ali, sem ter sido enfrentado ou reprimido, por muito tempo. Na Irlanda no Norte, e em toda a ilha no seu conjunto, não somos estranhos a cenários semelhantes».

A paz duradoura, fruto da paciência é também «fruto do amor, o qual vai além de quanto a simples justiça pode dar» como diz a Gaudium et spes. Se, como disse Thomas Merton, «a raiz da guerra é o medo» é claro que não se podem reparar em tempos rápidos longos séculos de inimizade. Ao contrário, a fim de promover a paz serve dedicação em relação à esperança, que no final favorecerá e preparará um futuro para cada cidadão do país: «Penso que se poderia afirmar que 99 por cento das pessoas que nos procuram na Restoration House têm um problema com o perdão».

Ruth Patterson escreveu diversos livros, que fundam o compromisso pela reconciliação de Restoration Ministries no ministério de reconciliação do próprio Jesus, numa espiral que supera as divisões confessionais. A fim de que um encontro possa ser definido «ecuménico», deve haver uma intenção reconciliadora, e muitas vezes isto está implícito naquilo que a reverenda Ruth Patterson faz e no que Restoration Ministries representa. Estes encontros favorecem a chamada à unidade, não só através dos compromissos da senhora Patterson como oradora e a colaboração estreita com diversas Igrejas, mas também porque a colega da reverenda em Restoration Ministries, Rose Ozo, é católica. Em todos os documentos escritos, Restoration Ministries declara não ser denominacional; isto faz dela uma voz independente que tem por finalidade falar de uma perspetiva cristã que em si não é nem católica nem protestante, mas que ao contrário abraça ambas as perspetivas concentrando-se antes sobre Deus.

No caminho de restauração e de perdão, que fazem ambas parte do processo de reconciliação, a Patterson frisa a importância do recordar. Explica que «recordar significa “voltar a dar substância ao passado”. Não que devemos esquecer o sofrimento ou o passado, mas que devemos honrá-lo através de uma recordação profunda». Contudo, unicamente recordar não pode levar à cura e não é suficiente libertar-nos do ser prisioneiros do passado. O instrumento de cura e de transformação é «o trabalho interpretativo que uma pessoa desempenha com a memória».

A senhora Patterson reconhece a necessidade de reconciliação interior, que cada um de nós deve empreender no seu percurso de vida. Ressalta que «o maior caminho de pacificação que percorreremos está em nós mesmos» e afirma ainda que «dentro de cada um de nós há o desejo, a fome de significado, de uma espiritualidade mais profunda, de um maior espaço para Deus. Com muita frequência no nosso caminho terreno nos são proporcionados momentos de consciência, de reconhecimento, nos quais o véu é levantado».

«Le temps d'une pause» de Odile Escoliere

Muitas vezes a memória limita-nos em relação ao que experimentámos, de bom ou de mau, enquanto a esperança nos faz concentrar em Deus, e nele encontramos por fim possibilidades de descobertas sempre novas na vida. O convite a darmo-nos conta de que somos amados por Deus é reafirmado muitas vezes por Ruth Patterson, a qual afirma que «se o aceitássemos», se deveras acreditássemos que somos profundamente amados por Deus, «não haveria necessidade de Restoration Ministries, porque saberíamos que somos amados, estaríamos em paz connosco e com o Deus»; por isso, «em suma, estamos chamados a ser uma ponte entre os tempos. Entre o mundo como era e como será, entre a Igreja como era e como será, entre a Irlanda como era e como será».

Através do seu trabalho, Restoration Ministries é também «preparador do caminho». O seu ministério, mesmo tendo um caráter único, com o acento colocado na escuta, está radicado na sólida tradição bíblica cristã; obtém sabedoria e encorajamento de quantos percorreram primeiro este caminho. Isto sobressai de maneira particularmente clara nos encontros públicos, onde a reverenda Ruth Patterson partilha as suas reflexões, normalmente ilustrando alguns valores cristãos profundos, graças ao exame atento das narrações das Escrituras.

Iva Beranek

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS