Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma espiral de violência que afasta a paz

· Preocupação e tristeza do Papa pelo agravamento das tensões na Terra Santa e no Médio Oriente ·

«Guerra chama guerra, violência chama violência». Preocupado e entristecido «pelo agravamento das tensões na Terra Santa e no Médio Oriente», o Papa renovou o apelo para que se ponha fim «à espiral de violência que afasta cada vez mais do caminho da paz, do diálogo e das negociações».

No final da audiência geral de quarta-feira 16 de maio, na praça de São Pedro, o Pontífice garantiu a sua proximidade «com a oração e o afeto a quantos sofrem», exprimindo «grande tristeza pelos mortos e feridos» causados pelos conflitos destes dias. «Reafirmo que é o uso da violência nunca leva à paz» disse com vigor o Papa Francisco, que em seguida exortou «todas as partes em causa e a comunidade internacional a renovar o empenho a fim de que prevaleçam o diálogo, a justiça e a paz».

Também na saudação dirigida aos fiéis polacos presentes no encontro – entre os quais um grupo de ex-combatentes vindos para as celebrações do aniversário da batalha de Monte Cassino – o Pontífice fez referência à tragédia das duas guerras mundiais, que ensanguentaram o século passado, para renovar o seu «apelo a favor da cessação dos conflitos em curso no mundo e pela busca de caminhos de paz».

Significativos também os seus votos para o início do Ramadão, com o desejo de que «este tempo privilegiado de oração e jejum ajude a percorrer o caminho de Deus que é a via da paz».

Precedentemente, ao concluir o ciclo de catequeses dedicadas ao primeiro sacramento da iniciação cristã, Francisco recordou que «é dever dos pais, juntamente com os padrinhos e madrinhas, zelar pela alimentação da chama da graça batismal nas suas crianças, ajudando-as a perseverar na fé». De facto, reafirmou, para os pequenos «a educação cristã é um direito; ela tende a guiá-los gradualmente a fim de que conheçam o desígnio de Deus em Cristo: deste modo poderão ratificar pessoalmente a fé na qual foram batizados».

Antes da audiência geral o Papa recebeu em Santa Marta uma  delegação das religiões dármicas indianas e depois, no local adjacente à Sala Nervi,  um grupo de budistas provenientes da Tailândia.

Audiência geral 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS