Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma esperança para a sociedade

· Francisco evidencia a importância das famílias numerosas ·

E recorda que o Estado tem todo o interesse em investir nelas

«Num mundo marcado pelo egoísmo, a família numerosa é uma escola de solidariedade e partilha; e depois estas atitudes beneficiam toda a sociedade». Convicto disto, o Papa Francisco recebeu em audiência na manhã de domingo, 28 de Dezembro, a Associação nacional das famílias numerosas (Anfn), que festeja dez anos de actividade.

Na festa da Sagrada Família de Nazaré, o Pontífice encontrou-se na Sala Paulo VI com núcleos familiares compostos por pelo menos quatro filhos, para reafirmar que «infelizmente as instituições públicas nem sempre» ajudam estas realidades a enfrentar «todas as dificuldades e pesos da vida» que incidem sobre elas.

Recordando que «a Constituição italiana, no artigo 31, presta atenção especial às famílias numerosas», o Papa frisou como tal princípio «não encontra eco adequado nos factos. Permanece só nas palavras». E fez votos para que – «pensando também na baixa natalidade que há tempos se registra» no país e na Europa – recebam maior «atenção da política e dos administradores públicos, a todos os níveis, a fim de obter o apoio previsto a estas famílias». Porque, acrescentou, se é verdade que «cada família é célula da sociedade», com maior razão «a família numerosa é uma célula mais rica, mais vital, e o Estado tem todo o interesse em investir nela».

De resto, prosseguiu o Papa, neste tipo de família «os filhos e filhas são mais capazes de comunhão fraterna desde a primeira infância» e «as diversas gerações encontram-se e ajudam-se». Depois de ter elogiado o esforço da Associação, «nascida na cidade do beato Paulo VI, Bréscia», o Papa garantiu que reza «em particular pelas famílias mais provadas pela crise económica, nas quais o pai ou a mãe perderam o trabalho»; e pelas «famílias provadas nos afectos mais queridos e tentadas de se render à solidão e à divisão». Enfim, o Papa pediu que rezem por ele, definindo-se alegremente «o avô de todos». E precisamente sobre o papel dos avós voltou a falar depois com os fiéis reunidos na praça de São Pedro para a recitação do Angelus. No final da oração mariana o Pontífice recordou também «os passageiros do avião malásio desaparecido entre a Indonésia e Singapura», e «dos navios em trânsito no mar Adriático» envolvidos em dois graves acidentes.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS