Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma esperança forte

O que vale realmente? A tradição cristã desde há tempos imemoráveis respondeu a esta pergunta, inclusive situando no coração do ano litúrgico uma festa de Maria – mãe de Deus e imagem da Igreja, por conseguinte de cada fiel e ao mesmo tempo de toda a comunidade dos crentes – que ilumina o decorrer comum dos dias. Esta festa celebra a assunção da Virgem ao céu de corpo e alma, quando também para ela chega o momento da morte, que no património litúrgico, sobretudo oriental, é indicada com nomes que querem significar justamente em Nossa Senhora a superação desta realidade inelutável para o ser humano: dormição e passagem.

Bento XVI chamou a atenção sobre isto, e certamente não só dos católicos e dos cristãos, recordando que há 60 anos, a 1 de Novembro de 1950, na solenidade de Todos os Santos (e não por acaso nesta festa), o seu predecessor Pio XII definiu de modo mais solene e exigente – «a Igreja, no seu Magistério infalível» disse o Papa – que esta antiquíssima convicção cristã, querida em particular às Igrejas do Oriente, é uma verdade de fé que pertence ao dogma. E como de costume, com palavras límpidas o Pontífice foi ao coração da questão, que diz respeito a todos: «Eis o segredo surpreendente e a realidade-chave de toda a vicissitude humana».

A herança do homem é a morte, e não é banal recordá-lo neste tempo em que com determinação impressionante as sociedades do bem-estar querem remover a sua evidência natural: afastando os moribundos das casas, propalando subtilmente a eutanásia (que no fundo é uma rejeição desesperada na tentativa vã e impiedosa de controlá-la), almejando uma imortalidade tecnológica tanto indefinida quanto angustiante, ignorando imjustiças e violências.

Mas a morte – cada fiel sabe-o e espera-o – não tem a última palavra. Cristo destruiu o seu poder, e na criatura humana que foi a primeira a recebê-lo antecipou-se o destino final de toda a humanidade: com a expressão do Credo evocada por Bento XVI, «a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há-de vir».

Eis a «esperança forte» anunciada pelo Papa na continuidade da tradição cristã: que supera a «sombra» da sobrevivência nos nossos corações de quem nos foi querido, também ela destinada a passar de modo inexorável, precisamente porque aguarda a recuperação purificada e misteriosa de todos os aspectos da vida humana na plenitude de Deus. Isto indica a imagem do «céu» na explicação de Bento XVI, e não só «uma qualquer salvação da alma num além indefinido». Não, o Deus que se fez pequenino no ventre de Maria e é amigo dos homens «não nos abandona nem sequer na morte e além da morte, mas tem um lugar para nós». Isto vale, e é verdadeiramente uma esperança que permite viver plenamente.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS