Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma chaga vergonhosa

· Na audiência geral o apelo do Papa contra o tráfico de seres humanos ·

Das olimpíadas de Pyeongchang uma esperança de diálogo e paz

Dois apelos vigorosos – o primeiro na vigília do dia mundial contra o tráfico, o segundo por ocasião das olimpíadas invernais que se abrem na Coreia do Sul na sexta-feira, 9 de fevereiro – foram lançados pelo Papa na audiência geral de quarta-feira 7 de fevereiro.

Aos fiéis reunidos na Sala Paulo VI o Pontífice pediu para rezar «a fim de que o Senhor converta o coração dos traficantes e conceda a esperança de reaver a liberdade a quantos sofrem» por causa da «chaga vergonhosa» do tráfico. Comentando o tema do dia deste ano – «Migração sem tráfico. Sim à liberdade! Não ao tráfico!» – o Pontífice frisou que «tendo poucas possibilidades de canais regulares, muitos migrantes decidem aventurar-se por outras vias, nas quais com frequência os esperam abusos, exploração e redução em escravidão». Por isso convidou «cidadãos e instituições a unir as forças para prevenir o tráfico e garantir proteção e assistência às vítimas».

Sucessivamente, o Papa falou sobre os Jogos olímpicos invernais na cidade coreana de Pyeongchang, nos quais participam 92 países, frisando que a tradicional trégua olímpica este ano adquire «especial importância: delegações das duas Coreias desfilarão juntas sob uma única bandeira e competirão como uma única equipa», facto que, comentou, «faz esperar num mundo em que os conflitos se resolvam pacificamente com o diálogo e no respeito recíproco, como ensina o desporto». E a propósito Francisco garantiu «o compromisso da Santa Sé em apoiar qualquer iniciativa útil a favor da paz e do encontro entre os povos».

Precedentemente, dando prosseguimento às catequeses sobre a importância da missa na vida cristã, o Papa falou sobre a proclamação da última leitura, aquela tirada de um excerto evangélico, e sobre o comentário que o sacerdote celebrante faz dela. «Na liturgia da palavra, através do Evangelho e da homilia, Deus dialoga com o seu povo» explicou o Pontífice, recomendando contudo que a pregação não supere dez minutos. «A homilia – afirmou, acrescentando uma consideração pessoal ao texto pronto – deve ser bem preparada».

«E como se prepara uma homilia?», perguntou o Papa. «Com a oração», respondeu; mas também «com o estudo da Palavra de Deus e fazendo uma síntese clara e breve».

Audiência geral

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Fevereiro de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS