Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma casa segura

· O Papa volta de Lesbos com doze refugiados sírios que serão hospedados na Itália ·

Francisco regressou de Lesbos — onde tinha ido na manhã de 16 de abril com o patriarca Bartolomeu e o arcebispo de Atenas de toda a Grécia Hieronymos — acompanhado de um grupo de refugiados. Trata-se de três famílias que fugiram da guerra que continua a ensanguentar a Síria: doze pessoas, entre as quais dois adolescentes e quatro crianças, que chegaram à ilha grega antes do recente acordo entre Turquia-Ue e estavam hospedados no campo de Kara Tepe.

Um gesto sem precedentes, que encerrou o espírito de uma visita breve mas muito intensa, empreendida no sinal da proximidade e da partilha. «Vim aqui simplesmente para estar convosco e para ouvir as vossas histórias», explicou o Papa às centenas de homens, mulheres, crianças e idosos hóspedes no campo de Moria, onde passou a manhã inteira envolvido pelo abraço cheio de dor e de esperança dos refugiados. «Viemos a fim de chamar a atenção do mundo para esta grave crise humanitária e para implorar a sua solução», acrescentou frisando as dimensões daquela que já durante o voo rumo à ilha tinha definido «a maior catástrofe humanitária depois da segunda guerra mundial». Aos jornalistas a bordo do avião Francisco recordou também o 89º aniversário de Bento XVI, a quem transmitiu as felicitações e garantiu a oração.

No campo de Moria o Papa permaneceu prolongadamente no meio dos refugiados: ouviu histórias de horror e de violência, enxugou lágrimas e reservou a todos uma palavra de encorajamento. «Não estais sozinhos», assegurou, elogiando a generosa resposta de hospitalidade do povo grego e expressando o desejo de que «o mundo preste atenção a tais situações de necessidade trágica e responda de modo digno da nossa comum humanidade».

Bons votos que se tornaram «apelo à responsabilidade e solidariedade» durante o encontro com as autoridades e com a comunidade católica, que teve lugar à tarde no porto de Mytilene, depois da assinatura da declaração conjunta de Francisco, Bartolomeu e Hieronymos, e do almoço com oito hóspedes do campo. «A Europa é a pátria dos direitos humanos, e quem quer que pise a terra europeia deveria poder sentir isto» advertiu o Papa, reconhecendo que «as preocupações das instituições e das pessoas são compreensíveis», ma convidando a «não esquecer que os migrantes, antes de números, são pessoas». Enfim, convidou a rejeitar «a ilusão de elevar lugares fechados para sentir maior segurança», pois «as barreiras criam divisões, em vez de ajudar o verdadeiro progresso dos povos». Antes de deixar a ilha, o Papa, o patriarca e arcebispo recitaram uma oração pelas vítimas da imigração e lançaram ao mar três coroas de louro.

Discurso no campo de Moira

Declaração conjunta

Discurso no porto de Mytilene

Oração pelas vítimas da imigração

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

14 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS