Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Uma casa para todos

· Na audiência geral o Papa Francisco fala da Igreja como única família de Deus ·

Mas quantos rezam pelos cristãos que hoje são perseguidos?

As divisões, as incompreensões, os conflitos, os mexericos são «feridas» para a unidade da Igreja. E esta «é uma época na qual todos precisamos de unidade, temos necessidade de reconciliação, de comunhão». Disse o Papa na catequese que teve lugar durante a audiência geral de quarta-feira 25 de Setembro, na praça de São Pedro.

«Onde quer que formos, até na paróquia mais pequena, no canto mais perdido desta terra – recordou o Pontífice – há a única Igreja; nós estamos em casa, estamos em família, somos irmãos e irmãs». E é «triste encontrar uma Igreja “privatizada”», acrescentou referindo-se a quantos egoisticamente se fecham no seu grupo íntimo de «amigos», no seu «pequeno grupo» exclusivo sem pensar nos outros, sobretudo nos muitos cristãos que sofrem em diversas partes do mundo. E provocatoriamente fez uma pergunta aos fiéis reunidos na praça: «Quantos de vós rezam pelos cristãos que são perseguidos?». É importante – comentou - «olhar para fora do próprio círculo, sentir-se Igreja, única família de Deus».

Em seguida o Papa voltou a propor as atitudes justas para seguir Cristo: «Humildade, mansidão, magnanimidade, amor». Estes, acrescentou, «são os caminhos, os caminhos verdadeiros da Igreja. Ouçamo-los mais uma vez: humildade contra a vaidade, contra a soberba»; e sobretudo «amor para conservar a unidade». Porque a verdadeira riqueza da Igreja – frisou – é «o que nos une e não o que nos divide».

Por fim o Santo Padre voltou a propor outro dos temas sobre os quais insiste muitas vezes: o mal que os mexericos fazem «à Igreja, às paróquias, às comunidades». Os mexericos ferem. Um cristão – disse numa das numerosos partes da catequese improvisadas – antes de mexericar deve morder a língua... Isto far-nos-á bem!».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

18 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS