Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Um programa de vida

· No Angelus o Papa discorreu sobre as bem-aventuranças ·

As bem-aventuranças evangélicas não constituem «uma nova ideologia», mas «um novo programa de vida, para nos libertarmos dos falsos valores do mundo e nos abrirmos aos bens verdadeiros, presentes e futuros», afirmou o Papa no Angelus de domingo 30 de Janeiro, na praça de São Pedro.

Amados irmãos e irmãs!

Neste quarto domingo do Tempo Comum, o Evangelho apresenta o primeiro grande discurso que o Senhor dirige ao povo, nas doze colinas ao redor do Lago da Galileia, «Vendo aquelas multidões — escreve são Mateus — Jesus subiu à montanha. Sentou-se e os seus discípulos aproximaram-se dele. Então, começou a falar e a ensinar» ( Mt 5, 1-2). Jesus, novo Moisés, «toma o seu lugar na “cátedra” da montanha» (Gesù di Nazaret, Milano 2007, p. 88) e proclama «bem-aventurados» os pobres de espírito, os aflitos, os misericordiosos, quantos têm fome de justiça, os puros de coração e os que são perseguidos (cf. Mt 5, 3-10). Não se trata de uma nova ideologia, mas de um ensinamento que vem do Alto e diz respeito à condição humana, precisamente aquela que o Senhor, encarnando, quis assumir para a salvar. Por isso, «o Sermão da montanha é dirigido ao mundo inteiro, no presente e no futuro … e só pode ser compreendido e vivido no seguimento de Jesus, no caminho com Ele» (Gesù di Nazaret, p. 92). As Bem-Aventuranças constituem um novo programa de vida, para nos libertarmos dos falsos valores do mundo e nos abrirmos aos bens verdadeiros, presentes e futuros. Com efeito, quando Deus consola, sacia a fome de justiça e enxuga as lágrimas dos aflitos, significa que, além de recompensar cada um de modo sensível, abre o Reino dos Céus. «As Bem-Aventuranças são a transposição da cruz e da ressurreição na existência dos discípulos» ( Ibid., p. 97). Elas reflectem a vida do Filho de Deus, que se deixa perseguir e desprezar até à condenação à morte, a fim de que aos homens seja concedida a salvação.

Um antigo eremita afirma: «As Bem-Aventuranças são uma dádiva de Deus, e temos o dever de lhe render grandes graças por elas e pelas recompensas que delas derivam, ou seja, o Reino dos Céus no século vindouro, a consolação aqui, a plenitude de todo o bem e a misericórdia da parte de Deus … uma vez que nos tivermos tornado imagem de Cristo na terra» (Pedro de Damasco, in Filocalia, vol. 3, Torino 1985, p. 79). O Evangelho das Bem-Aventuranças comenta-se com a própria história da Igreja, a história da santidade cristã, porque — como escreve são Paulo — «o que é estulto no mundo, Deus escolheu-o para confundir os sábios; e o que é fraco no mundo, Deus escolheu-o para confundir os fortes; e o que é vil e desprezível no mundo, Deus escolheu-o, como também as coisas que nada são, para destruir aquelas que são» ( 1 Cor 1, 27-28). Por isso, a Igreja não tema a pobreza, o desprezo e a perseguição numa sociedade com frequência atraída pelo bem-estar material e o poder mundano. Santo Agostinho recorda-nos que «não é útil padecer tais males, mas suportá-los pelo nome de Jesus, não apenas com o espírito tranquilo, mas também com alegria» ( De sermone Domini in monte, i, 5, 13: CCL 35, 13).

Caros irmãos e irmãs, invoquemos a Virgem Maria, a Bem-Aventurada por excelência, pedindo a força para procurar o Senhor (cf. Sf 2, 3) e para O seguir sempre com alegria, no caminho das Bem-Aventuranças.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS