Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Um cesto de sonhos

· O Papa Francisco encontra as criancinhas internadas no hospital pediátrico romano Bambino Gesù e no Angelus lança o apelo para que cada família possa ter uma casa ·

As criancinhas internadas no hospital pediátrico romano Bambino Gesù colocaram num cesto de vimes os seus sonhos e entregaram-nos ao Papa Francisco quando, na tarde de sábado, 21 de Dezembro, os foi visitar.

Sonhos ligados a um futuro que esperam que seja diferente, sobretudo sem doenças. Depuseram-nos nas mãos do Pontífice para que se transformem em oração. E ele agradeceu-lhes a confiança que têm no seu amor. E começou logo a rezar, circundado por elas, na capela do hospital. «Apresentemo-los juntos a Jesus. Ele – disse – conhece-os melhor do que todos; ele conhece o que está no fundo do nosso coração. De modo especial convosco, crianças, Jesus tem um vínculo especial, está sempre ao vosso lado».

E são estas as únicas palavras «oficiais» pronunciadas pelo bispo de Roma durante as quase três horas de visita ao hospital pediátrico. De resto, tinha manifestado imediatamente o seu desejo, que não era «visitar a estrutura» mas encontrar as crianças e estar com elas por alguns momentos, possivelmente só com os pais e os médicos que os curam. E assim foi: o Papa quis partilhar sozinho com elas o sofrimento que aquelas criancinhas são chamadas a encarnar.

E o Papa Francisco falou também de partilha no sofrimento no domingo 22 de Dezembro, durante o encontro com os fiéis na praça de São Pedro para a recitação do Angelus, dedicado à exemplaridade da figura de são José. Quando, no final da oração, leu num letreiro «Os pobres não podem esperar», dirigiu o pensamento às muitas famílias que vivem a experiência da pobreza até ao ponto de já não ter uma casa onde morar. «É muito difícil – disse – ocupar-se de uma família sem uma casa onde viver. Nestes dias de Natal, convido todos, pessoas, entidades sociais, autoridades, a fazer o possível para que cada família possa ter uma casa».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS