Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Um bom advogado

· Missa em Santa Marta ·

A nosso favor, temos o melhor advogado defensor, que «não fala muito mas ama» e «precisamente neste momento» está a rezar por todos nós, e a mostrar «as suas chagas ao Pai», para lhe recordar «o preço que pagou para nos salvar». O Papa Francisco baseou a homilia da missa celebrada na manhã de terça-feira, 3 de Junho, na capela da Casa de Santa Marta, exactamente na certeza de que «Jesus reza por nós».

«Rezo por eles; não pelo mundo, mas por quantos me deste, porque são teus» são as palavras de Jesus ao Pai no seu «discurso de despedida», como é apresentado no Evangelho de João (17, 1-11). Mas a liturgia, frisou o Pontífice, oferece-nos na primeira leitura também outro «discurso de despedida»: de Mileto são Paulo manda chamar a Éfeso os idosos da Igreja para se despedir, segundo os Actos dos Apóstolos (20, 17-27).

São Paulo diz-lhes que não conhece o seu destino: «Só sei – afirma – que o Espírito Santo, de cidade em cidade, me confirma que me esperam correntes e tribulações». A narração continua com a notícia de que «todos explodiram num grande pranto e lançando-se aos braços de Paulo beijavam-no, aflitos sobretudo porque disse que não voltariam a ver o seu rosto. E acompanharam-no até à embarcação». Contudo, Paulo, encorajou-os a ir em frente, a anunciar o Evangelho, a não desanimar.

São Paulo, explicou o Papa, «no capítulo oito da Carta aos romanos diz-nos que é uma oração de intercessão». Assim, «hoje, enquanto rezamos aqui, Jesus ora por nós, reza pela sua Igreja». E «o apóstolo João» garante-nos que se pecarmos, temos «um advogado diante do Pai, alguém que reza por nós, nos defende diante do Pai, nos justifica».

É importante, frisou o Pontífice, «pensar nesta verdade, nesta realidade: neste momento Jesus está a rezar por mim. Posso prosseguir na vida porque tenho um advogado que me defende. Se sou culpado, se tiver muitos pecados», Jesus «é um bom advogado defensor e falará ao Pai sobre mim».

E como reza Jesus hoje? «Penso que não fale muito com o Pai: ama», respondeu o Papa. E acrescentou: «Mas uma coisa que Jesus faz hoje, estou certo que o faz: mostra ao Pai as suas chagas. E Jesus com as suas chagas reza por nós. Como se dissesse: “Pai, eis o preço! Ajuda-os, protege-os, são os teus filhos que salvei”».

Caso contrário, advertiu Francisco, «não se compreende porque Jesus depois da ressurreição teve este corpo glorioso, lindíssimo: sem manchas nem feridas da flagelação, tudo puro, só com as cinco chagas».

«Nós – prosseguiu – devemos ter fé que Jesus neste momento intercede diante do Pai por nós, por cada um de nós. E quando rezamos, peçamos: Jesus ajuda-me, dá-me forças, resolve este problema, perdoa-me!».

O Pontífice concluiu, repropondo as palavras de Jesus a Pedro, a sua oração «para que a tua fé nunca desfaleça». Com a certeza de que ele está a rezar do mesmo modo por «cada um de nós: “Peço por ti irmão, irmã, rezo por ti, para que a tua fé nunca desfaleça!”». Por isso, devemos «confiar nesta oração de Jesus, com as suas chagas, diante do Pai».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Novembro de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS