Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Um anjo à porta

· Na festa dos santos Pedro e Paulo o Papa recorda a coragem dos apóstolos e as perseguições atrozes de que ainda hoje os cristãos são vítima com o silêncio de todos ·

Ainda hoje em muitas partes do mundo os cristãos são submetidos a perseguições atrozes, inexplicáveis e desumanas», com frequência «sob o olhar e o silêncio de todos». O Papa Francisco voltou a denunciar as violências de que continuam a ser vítimas os crentes e convidou a contemplar a coragem dos apóstolos e da primeira comunidade cristã: «a coragem — explicou na homilia da missa celebrada na basílica do Vaticano a 29 de Junho, solenidade dos santos Pedro e Paulo — de levar em frente a obra de evangelização, sem medo da morte nem do martírio».

Referindo-se precisamente àquela experiência, o Pontífice evocou antes de tudo a centralidade da oração. «A comunidade de Pedro e Paulo — disse — ensina-nos que uma Igreja em oração é uma Igreja “de pé”, sólida, a caminho». Com efeito, «o cristão que reza é um cristão protegido, preservado e apoiado, mas sobretudo não está sozinho», frisou, evocando a vicissitude de são Pedro libertado pelo anjo e exortando a não deixar «fora da porta» os numerosos anjos que o Senhor «põe no nosso caminho».

Depois, Francisco salientou a força da fé e recordou que a Igreja «não é dos Papas, dos bispos, dos sacerdotes, nem sequer dos fiéis», mas «unicamente de Cristo». Por isso, na vida dos crentes é necessário o testemunho: «Uma Igreja ou um cristão sem testemunho — admoestou — é estéril; um morto que julga estar vivo; uma árvore seca que não dá fruto; um poço árido que não dá água». Finalmente, dirigindo-se aos arcebispos metropolitanos que durante a celebração receberam o pálio, o pontífice pediu-lhes em especial que «não contradigam, com o comportamento e a vida, o que pregam com a palavra e ensinam aos outros».

A «herança gloriosa» de Pedro e Paulo foi proposta novamente pelo Papa no Angelus recitado no final da celebração. «A nossa oração de hoje é sobretudo pela cidade de Roma, pelo seu bem-estar espiritual e material», disse antes de convidar os fiéis a apoiá-lo com a oração na próxima viagem programada para os dias 5-12 de Julho ao Equador, Bolívia e Paraguai.

Angelus de domingo 28 de Junho

Homilia da missa para a solenidade dos santos Pedro e Paulo

Angelus de 29 de Junho

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS