Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Trabalho clandestino e precário matam a dignidade

· Mensagem vídeo do Papa por ocasião da semana social dos católicos italianos ·

«O trabalho clandestino e o emprego precário matam». Com uma forte denúncia o Papa Francisco abriu a quadragésima oitava semana social dos católicos italianos, que decorre em Cagliari de quinta-feira 26 até domingo 29 de outubro.

Através de uma mensagem vídeo transmitida no início dos trabalhos, o Pontífice analisou o tema deste ano «O trabalho que queremos: livre, criativo, participativo e solidário», reafirmando que «sem trabalho não há dignidade» e especificando, porém, que «nem todos os trabalho são “dignos”». Com efeito, alguns deles «humilham a dignidade das pessoas», outros «alimentam as guerras com a fabricação de armas» ou «vendem ao desbarato o valor do corpo com o tráfico da prostituição» ou, mais ainda, «exploram os menores».

Portanto, o Papa recordou que «ofendem a dignidade do trabalhador inclusive o trabalho clandestino, o gerido pela contratação clandestina, os trabalhos que discriminam a mulher e não incluem quem tem uma deficiência». Assim como o emprego precário, que constitui «uma ferida aberta para muitos trabalhadores» angustiados pelo «temor de perder o trabalho». E a este propósito, confidenciou: «Eu senti muitas vezes esta angústia» da «precariedade total. Isso – admoestou – é imoral. Isso mata: mata a dignidade, a saúde, a família, a sociedade».

Além disso, o Pontífice expressou preocupação «pelos trabalhos perigosos e insalubres, que causam centenas de mortos e inválidos» sublinhando que é «a dignidade do trabalho a condição para criar emprego bom». Eis por que, disse, «é necessário defendê-la e promovê-la».

Por fim, o Papa dirigiu um pensamento «aos desempregados, aos desanimados e aos subempregados. A eles digo: não percais a confiança. Digo isso também a quem vive nas áreas do sul da Itália que mais se encontram em dificuldade», concluiu.

Mensagem vídeo 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

26 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS