Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Todos os dias o juízo final

· O Papa Francisco na audiência geral fala da vida eterna e relança a campanha «Uma só família humana, alimentos para todos» ·

O «juízo final já está a decorrer, começa agora ao longo da nossa existência». É a «sugestão» tirada do Evangelho de Mateus usada pelo Papa Francisco esta manhã, quarta-feira 11 de Dezembro, durante a reflexão sobre o Credo proposta na audiência geral na praça de São Pedro.

Este juízo, explicou, «é pronunciado em cada momento da vida, como confronto do nosso acolhimento com fé da salvação presente e activa em Cristo, ou da nossa incredulidade, com o consequente fechamento em nós mesmos».

Mas não tenhais medo, recomendou no início do encontro introduzindo a catequese. O Evangelho a este propósito é claro e revela como será este momento. Permanece contudo «um mistério que quase instintivamente suscita em nós um sensação de receio – reconheceu o Pontífice – e talvez até de trepidação. Mas se reflectirmos bem sobre a realidade, ela não pode deixar de alargar o coração de um cristão e constituir um grande motivo de conforto e confiança», sobretudo se for visto à luz da revelação cristã. O que na realidade nos espera no fim do percurso é o juízo de Deus, diante do qual, garantiu o Santo Padre, não estaremos sós: «É o próprio Jesus, no Evangelho de Mateus, quem prenuncia como, no fim dos tempos, aqueles o tiverem seguido participarão da sua glória, para julgar juntamente com ele». Por conseguinte, compete a nós pôr-nos em condição de estar ao lado de Jesus, abrindo-nos ao seu amor e pedindo-lhe perdão. «Todos somos pecadores» repetiu o Santo Padre, mas Jesus está sempre pronto para nos perdoar e para nos colmar com a sua misericórdia. «Portanto somos nós – concluiu – que podemos tornar-nos num certo sentido juízes de nós mesmos, autocondenando-nos à exclusão da comunhão com Deus e com os irmãos».

Depois da catequese, ao saudar os grupos presentes, o Papa quis relançar o slogan da campanha de Caritas internationalis contra a fome no mundo: «Uma só família humana, alimentos para todos». E dirigiu uma mensagem de bons votos aos americanos na vigília da festa de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira de todo o continente.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS