Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Tinha que vir aqui

· ​Debaixo de chuva o Papa Francisco celebra a missa na ilha de Leyte com centenas de milhares de sobreviventes ao terrível furacão Haiyan ·

«Quando de Roma vi esta catástrofe, senti que tinha que vir aqui». Falando em espanhol do altar preparado na área aeroportuária de Tacloban, na ilha de Leyte – devastada em Novembro de 2013 pelo terrível furacão Haiyan – o Papa Francisco contou assim a sua participação interior no sofrimento das populações filipinas e a sua determinação a visitar o país para levar solidariedade e conforto às vítimas da catástrofe.

Debaixo da chuva torrencial – que o obrigou a vestir por cima dos paramentos sagrados a mesma capa amarela impermeável usada pelos fiéis e depois o induziu a antecipar de quatro horas o regresso de avião a Manila – o Pontífice celebrou a missa na presença de centenas de milhares de sobreviventes ao furacão. «Muitos de vós perderam tudo. Eu não sei o que vos dizer. Permaneço apenas em silêncio, acompanho-vos com o meu coração em silêncio» confidenciou com voz comovida, acrescentando: ««Temos um Senhor que é capaz de chorar connosco, é capaz de nos acompanhar nos momentos mais difíceis da vida». Por isso, prosseguiu, «olhemos para Cristo: ele é o Senhor, e ele compreende-nos porque passou por todas as provações que nos atingiram».

Aos fiéis, que com a lágrimas nos olhos ouviram em silêncio as suas palavras, o Papa pediu para não cederem ao desespero e para se entregarem ao amor e à ternura materna de Maria, caminhando juntos «como irmãos» pela via do renascimento e da esperança.

Logo a seguir, na catedral de Palo, o Pontífice teve apenas o tempo para uma breve saudação e uma bênção, deixando aos bispos, aos sacerdotes, aos religiosos, às religiosas e aos seminaristas o texto do discurso preparado para a ocasião. Nele Francisco lança um novo apelo a fazer «mais pelos pobres», pedindo que «sejam tratados de modo equitativo, que a sua dignidade seja respeitada, que as escolhas políticas e económicas sejam justas e inclusivas, que as oportunidades de trabalho e de educação sejam incrementadas e removidos os obstáculos à realização dos serviços sociais.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS