Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Tempo tridimensional

· ​Missa em Santa Marta ·

Um Advento tridimensional, entre «passado, presente e futuro», para não esquecer que «no Natal se celebra o nascimento de Jesus» e não uma árvore decorada: um evento que se relaciona com cada homem e com a sua vida concreta, quer «hoje» quer no momento do encontro “direto” com o Senhor. Foi um vigoroso convite a não ceder à mundanidade e ao «hábito da fé» que o Papa Francisco sugeriu na missa celebrada na segunda-feira, 3 de dezembro, em Santa Marta.

«O Advento, que começou ontem, por assim dizer é um tempo tridimensional, um tempo para corrigir o espírito, para purificar o espírito, para fazer crescer a fé com esta purificação», afirmou o Pontífice na homilia. «Nós – prosseguiu referindo-se ao trecho evangélico de Mateus (8, 5-11) – estamos tão acostumados à fé que esquecemos a sua vivacidade e muitas vezes, talvez, o Senhor observando uma das nossas comunidades possa dizer, como ouvimos: agora, digo-vos que muitos virão da outra parte, porque vos digo que nesta paróquia, neste bairro, nesta diocese, não sei, não encontrei alguém com uma fé tão grande». São palavras que muitas «vezes o Senhor pode dizer não porque somos malvados» mas «porque estamos acostumados e quando estamos habituados perdemos aquela força da fé, aquela novidade da fé que sempre se renova».

«O Advento existe precisamente para renovar a fé, para purificar a fé a fim de que seja mais livre, mais autêntica» observou o Papa. E, acrescentou, «disse que é tridimensional porque o Advento é um tempo de memória, é a purificação da memória». Trata-se de «purificar a memória do passado, a memória do que aconteceu naquele dia de Natal: o que significa encontrarmo-nos com Jesus que acabou de nascer?». Uma pergunta para ser formulada a nós mesmos, insistiu Francisco, «porque a vida nos habitua» a considerar o Natal como uma «festa: encontrarmo-nos em família – é muito bom – vamos à missa – bem, bem – mas recordas-te bem do que aconteceu aquele dia? A tua memória é clara?».

«O Advento purifica a memória do passado, o que aconteceu aquele dia: o Senhor nasceu, nasceu o Redentor que veio salvar-nos» reiterou o Pontífice. «Sim, é festa»; mas «corremos sempre o perigo, seremos sempre tentados de mundanizar o Natal». E isto acontece «quando a festa» já não é «contemplação, uma bonita festa de família com Jesus no centro, e começa a ser festa mundana: compras, presentes, isto e aquilo, e o Senhor permanece sozinho, esquecido». Tudo isto acontece «também na nossa vida: sim, nasceu, em Belém», mas corremos o risco de perder esta memória. «E o Advento é o tempo propício «para purificar a memória daquele tempo passado, daquela dimensão».

Mas, prosseguiu o Papa, o Advento «tem também outra dimensão: purificar a expetativa, purificar a esperança, porque o Senhor que veio, voltará». E, acrescentou, «voltará a perguntar-nos: “como foi a tua vida?”. Será um encontro pessoal: hoje nós teremos o encontro pessoal com o Senhor na Eucaristia e não podemos ter um encontro pessoal com o Natal de há dois mil anos», mas «temos a memória de tal evento». Contudo, recordou Francisco, «quando ele voltar teremos aquele encontro pessoal». Isto «é purificar a esperança: onde caminhamos, onde nos leva esta estrada? Mas, não sei, soubeste, morreu, pobrezinho! Rezemos por ele. Morreu, sim, mas amanhã morrerei também eu, encontrar-me-ei com o Senhor, o encontro pessoal, e também o Senhor voltará depois para consertar o mundo».

Em seguida, o Pontífice exortou a «purificar a memória do que aconteceu em Belém, purificar a esperança, purificar o fim». Porque «não somos animais que morrem, cada um encontrar-se-á diretamente com o Senhor: cara a cara». E é oportuno questionar-nos: «Pensas nisto? O que dirás?». Eis, explicou Francisco, «o Advento serve para pensar naquele momento, no encontro definitivo com o Senhor». E esta «é a segunda dimensão».

«A terceira, recordou o Papa, é mais quotidiana: purificar a vigilância». De resto, observou, «vigilância e oração são duas palavras para o Advento, porque o Senhor entrou na história em Belém e virá, no fim do mundo e também no fim da vida de cada um de nós». Todavia, afirmou o Pontífice, o Senhor «vem todos os dias, todos os momentos, ao nosso coração, com a inspiração do Espírito Santo». Deste modo seria bom questionarmo-nos: «Ouço, conheço o que acontece no meu coração todos os dias? Ou sou uma pessoa» que procura «as novidades», com «a expetativa» dos atenienses que foram à praça quando Paulo chegou: qual é a novidade de hoje?». E portanto «viver sempre de novidades e não da novidade».

«Purificar esta expetativa significa transformar as novidades em surpresa, insistiu o Papa, explicando que «o nosso Deus é o Deus das surpresas: surpreende-nos sempre». Francisco recomendou que reflitamos sobre estes temas com palavras claras: «”Acabaste o dia, hoje?” – “Sim, estou cansado, trabalhei muito e tive um problema e agora assisto um pouco de TV e vou dormir” – “E tu não sabes o que aconteceu no teu coração hoje”?». Os seus votos foram exatamente que «o Senhor nos purifique nesta terceira dimensão de cada dia: o que acontece no meu coração? O Senhor veio? Deu-me alguma inspiração? Repreendeu-me por alguma coisa?».

No fundo, explicou o Pontífice, trata-se de «assumir a responsabilidade da nossa casa interior; o Advento é também para isto». Eis a importância de viver em plenitude as três dimensões do Advento indicadas pelo Papa. Antes de tudo «purificar a memória para recordar bem que a árvore de Natal não nasceu ali, não: Jesus Cristo nasceu! A árvore é um lindo sinal, mas Jesus Cristo nasceu, é um mistério». Depois «purificar o futuro: um dia encontrar-me-ei cara a cara com Jesus Cristo e o que lhe direi? Falarei mal dos outros?». Por fim a «terceira dimensão: hoje». Isto é «o que acontece hoje no meu coração quando o Senhor vier e bater à porta? É o encontro de todos os dias com o Senhor».

Concluindo, Francisco sugeriu que rezemos para que «o Senhor nos conceda a graça da purificação do passado, do futuro e do presente para encontrar sempre a memória, a esperança e o encontro quotidiano com Jesus Cristo».     

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS