Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Tempo para se reconciliar
com a vida

· Na audiência geral o Papa falou sobre o repouso ·

Na «sociedade atual sedenta de diversões e férias» o repouso para os cristãos serve para «fazer as pazes com a vida» e para «nos reconciliarmos com a nossa história», disse o Papa na audiência geral de quarta-feira, 5 de setembro, dando prosseguimento ao ciclo de catequeses dedicadas ao Decálogo.

Comentando, na praça de São Pedro, o excerto bíblico tirado do Livro do Êxodo (20, 8-11) que remete para o dever de santificar as festas, o Pontífice ofereceu uma reflexão muito atual que denuncia a indústria da distração deveras florescente e a publicidade que desenha «o mundo ideal como um grande parque de jogos onde todos se divertem». De resto, observou, «o conceito de vida, hoje predominante, não tem o baricentro na atividade e no empenho, mas na evasão». No entanto, «esta mentalidade faz escorregar na insatisfação de uma existência anestesiada pela diversão, que não é descanso, mas alienação e fuga da realidade». Ao ponto que apesar do homem «nunca ter descansado tanto como hoje», todavia «ele jamais experimentou tanto vazio como hoje». «A possibilidade de se divertir, de sair, os cruzeiros, as viagens, muitas coisas não te proporcionam a plenitude do coração», explicou o Papa e nem «te dão o descanso!».

Ao contrário, o repouso deve ser «o momento da contemplação, no momento do louvor, não da evasão». Por conseguinte, «para nós, cristãos, o domingo, não é o dia para anular os outros dias, mas para os recordar, bendizer e fazer as pazes com a vida. Quantas pessoas – observou Francisco – que têm muitas possibilidades de se divertir, e não estão em paz com a vida! O domingo é o dia para fazer as pazes com a vida, dizendo: a vida é preciosa». Eis então a exortação a «reconciliar-se com a própria história, com os factos que não se aceitam, com as partes difíceis da própria existência», pois «a verdadeira paz não consiste em mudar a própria história, mas em aceitá-la e valorizá-la, assim como ela ocorreu».

Antes da audiência o Pontífice saudou num ambiente adjacente à Sala Paulo VI uma delegação de motociclistas que vai participar no próximo grande prémio de San Marino e da Costa de Rímini.

Audiência geral 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS