Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Solução política para a Síria

· No Angelus a denúncia do tráfico de pessoas e os bons votos aos povos orientais para o novo ano lunar ·

O Papa pede que se reze pela viagem ao México e pelo encontro com o patriarca Cirilo

«Só uma solução política do conflito será capaz de garantir um futuro de reconciliação e de paz àquele querido e martirizado país», reiterou o Papa Francisco no novo apelo a favor da Síria, lançado no Angelus de domingo 7 de Fevereiro. Convidando «a rezar muito, todos juntos, a Nossa Senhora pela amada» terra síria, o Pontífice recitou uma Ave-Maria com os fiéis reunidos na praça de São Pedro, depois de ter revelado que acompanha «com intensa preocupação o trágico destino das populações atingidas nos violentos combates e forçadas a abandonar tudo para escapar dos horrores da guerra». 

Em seguida, fez votos de «que, com generosa solidariedade, se preste a necessária assistência para lhes garantir a sobrevivência e a dignidade». E lançou um apelo à comunidade internacional, exortando-a a não poupar esforço algum para levar com urgência à mesa das negociações as partes em causa».

No final do Angelus, o Papa pediu também aos presentes que acompanhem com a oração o encontro que terá lugar em Havana com o «amado irmão» Cirilo e a viagem ao México. Enfim, Francisco recordou o dia pela vida, celebrada na Itália, o dia de reflexão contra o tráfico de pessoas — que «oferece a todos a oportunidade de ajudar os novos escravos de hoje» — e a celebração do novo ano lunar no Extremo Oriente. «A todos desejo — disse a propósito — que experimentem serenidade e paz no seio das suas famílias, que constituem o primeiro lugar no qual se vivem e se transmitem os valores do amor e da fraternidade, da convivência e da partilha, da atenção e do cuidado pelo próximo».

Precedentemente, a meditação do Pontífice centrou-se como de costume no trecho do Evangelho dominical. E comentando a chamada dos primeiros discípulos de Jesus (Lc 5, 1-11), Francisco explicou que «ir à procura, “pescar” homens e mulheres» é «a lógica que guia a missão de Jesus e a missão da Igreja».

Angelus do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS