Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Solidariedade é a única resposta

· ​Face aos desafios migratórios o Pontífice frisou a necessidade de uma divisão equitativa das responsabilidades e renovando o apelo da «Laudato si’» pediu para ouvir o brado angustiante da terra ·

«Diante dos desafios migratórios de hoje, a única resposta sensata é a da solidariedade e da misericórdia». Recordou o Papa Francisco durante a missa para os migrantes celebrada na basílica de São Pedro na manhã de sexta-feira, 6 de julho, cinco anos depois da visita a Lampedusa, a primeira do Pontificado, onde o Pontífice se quis deslocar para prestar homenagem aos milhares de pessoas mortas no Mediterrâneo enquanto fogem de guerras e pobreza.

Àquelas vítimas, mas também aos que sobreviveram à viagem da esperança e a quantos os assistem e estão diariamente comprometidos a construir pontes de solidariedade, o Pontífice dedicou um momento intenso de oração, renovando o apelo à responsabilidade humana: “Onde está o teu irmão?”», e denunciando «as injustiças cometidas no silêncio, por vezes cúmplice, de muitos».

A este propósito o Papa advertiu contra a tentação de se fechar «em relação a quantos têm direito, como nós, à segurança e a uma condição de vida digna, e que constroem muros, reais ou imaginários, e não pontes». Pois os atuais desafios migratórios, ao contrário, requerem «uma resposta que não faz muitos cálculos mas exige uma equitativa divisão das responsabilidades, uma honesta e sincera avaliação das alternativas e uma gestão comedida». Aliás, observou, a «política justa é a que se põe ao serviço da pessoa, de todas as pessoas».

O drama de milhões de mulheres e homens obrigados pelo desespero a deixar o próprio país está estreitamente ligado com a outra grande emergência constantemente evidenciada pelo magistério de Francisco, a das mudanças climáticas e das consequências da exploração insensata do planeta terra, nossa casa comum. Tema ao qual dedicou a encíclica Laudato si’. No terceiro aniversário da sua publicação o Dicastério para o serviço do desenvolvimento humano integral organizou uma conferência internacional no Vaticano, cujos participantes foram recebidos pelo Papa na Sala Clementina precisamente antes da missa em São Pedro. No discurso, o Pontífice renovou o convite a «“ouvir com o coração” o brado cada vez mais angustiante da terra e dos seus pobres em busca de ajuda» e a «testemunhar a grande urgência de acolher o apelo a uma conversão ecológica».

Homilia da missa para os migrantes

Discurso aos participantes na Conferência sobre a Laudato si’ 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

18 de Julho de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS