Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Sob o sol de Roma

· A beatificação de Paulo VI ·

Paulo VI é beato. Foi quanto proclamou o Papa Francisco domingo 19 de Outubro. O anúncio ao mundo foi acompanhado por um hino de alegria e de glória que se levantou poderoso da praça de São Pedro, eco distante no tempo do canto entoado por um coro muito mais modesto, constituído por pessoas simples, reunidas na paróquia de um burgo dos Castelos romanos na noite de 6 de Agosto de 1978. E todavia foi precisamente aquele canto o anúncio de um caminho que chegou ao cumprimento num ensolarado domingo de 2014, típico do Outubro romano.

É singular como exactamente no dia do reconhecimento da santidade do Papa Montini volte a apresentar-se à memória a harmonia daquele coro improvisado na igreja de São Tomás da Villanova em Castel Gandolfo, ao anúncio da morte de Paulo VI. Aquela noite: Paulo VI saía da crónica para entrar na história.

E tem o sabor de história também o seu «regresso» à praça onde no longínquo sábado de 12 de Agosto de 1978 foram pela primeira vez celebradas as exéquias de um Pontífice, as suas. O Papa Francisco quis que a beatificação do seu predecessor coincidisse com a celebração conclusiva da terceira assembleia geral extraordinária do Sínodo dos bispos, um organismo criado a 15 de Setembro de 1965 precisamente pelo Papa Montini.

A cerimónia presidida por Francisco no adro da basílica do Vaticano contou com a presença significativa de Bento XVI: foi precisamente Joseph Ratzinger em 1977 o último cardeal que recebeu a púrpura de Paulo VI. Imponente o grupo dos concelebrantes, formada pelos padres sinodais e por numerosos outros purpurados e prelados de todos os países.

O Papa Francisco, com ulterior sinal de homenagem, vestia a casula que Paulo VI recebeu em dom por ocasião do seu octogésimo aniversário. Além disso, utilizou o báculo do seu predecessor e celebrou a missa com um dos cálices que lhe pertenciam. No momento da proclamação, depois do pedido de beatificação apresentado a Francisco pelo bispo Monari, foi descoberta a tapeçaria posta na fachada da basílica. Nela Paulo VI – cuja imagem foi tirada de uma fotografia de Pepi Merisio – está representado caminhando com os braços levantados ao céu e com o rosto aberto num sorriso deslumbrante. A festa litúrgica do novo beato será celebrada no dia 26 de Setembro, dia no qual em 1897 Montini veio ao mundo em Concesio. (mario ponzi)

O texto da homilia do Papa Francisco 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS