Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Sob o baldaquim

Um baldaquim do século XIX e um porta-ostensório em estilo barroco do século XVIII, recentemente restaurado pela Floreria apostólica: foram as novidades introduzidas para a procissão romana do Corpus Christi, que este ano se realizou na tarde de domingo, 18 de junho.

O baldaquim foi carregado, alternadamente, por quatro gendarmes e por quatro guardas suíças, enquanto o porta-ostensório foi levado sobre os ombros por quadro sediários pontifícios, que se revezaram.

A procissão, como de costume, teve início no final do rito de comunhão da concelebração eucarística presidida pelo Papa Francisco. Do adro da basílica romana de São João de Latrão dirigiu-se à basílica de Santa Maria Maior.

O Pontífice chegou pouco antes das 19h00 ao Palácio lateranense, onde foi recebido pelo cardeal vigário Vallini e pelo arcebispo vice-gerente Iannone. Em seguida, no adro da basílica lateranense celebrou a missa, na qual participaram doze cardeais juntamente com sacerdotes e prelados. Entre eles os arcebispos Becciu, substituto da Secretaria de Estado, e Gallagher, secretário para as Relações com os Estados, com monsenhor Bettencourt, chefe do Protocolo, e os bispos auxiliares de Roma. Em lugares reservados, estava o prefeito da Casa pontifícia, arcebispo Gänswein. O serviço litúrgico foi preparado pelos ministrantes do Pontifício seminário romano maior; os cantos foram executados pela Capela Sistina dirigida pelo maestro Palombella e pelo coro da diocese de Roma dirigido por monsenhor Frisina.

No final do rito de comunhão teve início a procissão aux flambeaux, na qual participaram confrarias e agremiações, leigos do vicariado, associações eucarísticas, cavaleiros do Santo Sepulcro e da Ordem de Malta, religiosas, religiosos, sacerdotes, seminaristas e diáconos, párocos de Roma e cónegos lateranenses, crianças da primeira comunhão, prelados, bispos, arcebispos e cardeais. Logo atrás do baldaquim com o Santíssimo Sacramento seguia a pé o cardeal Vallini. Uniram-se ao cortejo muitíssimos fiéis que percorreram a via Merulana. O Papa, que chegou à Santa Maria Maior de carro, onde foi recebido pelo cardeal arcipreste Stanisław Ryłko, parou em oração diante da imagem da Salus populi Romani. No final da procissão o ostensório foi colocado no altar montado em frente da basílica. Em seguida Francisco incensou o Santíssimo Sacramento ao canto do Tantum ergo e concedeu a bênção eucarística. O rito concluiu-se com o canto do Salve, Rainha.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS