Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Só a paz é santa

· Durante o encontro com os líderes religiosos em Assis o Papa reafirma que o nome de Deus nunca pode justificar a violência ·

«O diálogo nasce quando sou capaz de reconhecer que o outro é um dom de Deus e tem algo a dizer-me». No tweet lançado na quarta-feira 21 de setembro do account @Pontifex – no final da audiência geral na praça de São Pedro dedicada à centralidade do «perdão» e do «dom» na vida cristã – o Papa repropôs um dos aspetos-chave da experiência vivida no dia anterior em Assis.

Onde na tarde tinha participado na cerimónia de encerramento do encontro de oração pela paz com os líderes das principais religiões do mundo, trinta anos após o histórico primeiro encontro querido por João Paulo II.

Um diálogo feito sobretudo de oração, cada um conforme a própria espiritualidade e bagagem de tradições. Em Assis os cristãos reuniram-se na basílica inferior de São Francisco para uma celebração ecuménica na presença do patriarca de Constantinopla, do arcebispo de Canterbury e do patriarca sírio-ortodoxo. Na meditação pronunciada durante o rito, o Pontífice exortou a ouvir o brado dos inocentes e admoestou contra o «silêncio ensurdecedor da indiferença» que emudece a voz dos pobres. Palavras fortes, que ressoaram também na cerimónia conclusiva na praça de São Francisco. Com efeito, no seu discurso o Papa reafirmou que hoje existe um novo «paganismo da indiferença» que torna invisíveis as necessidades dos outros, lançando ao mesmo tempo uma admoestação contra quem utiliza o nome de Deus para justificar a violência. Na conclusão, Francisco assinou juntamente com os líderes religiosos presentes o apelo de paz que cerca de cinquenta crianças entregaram aos representantes das nações do mundo.

Meditação do Papa

Discurso durante a cerimónia conclusiva 

Apelo

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS