Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Síntese da fé cristã

A bula de proclamação do jubileu da misericórdia, desejado pelo Papa Francisco, é uma síntese da fé cristã. E isto porque, como se lê no início da mesma, precisamente a misericórdia é o cerne da revelação que atinge o seu ápice em Jesus de Nazaré, rosto do Pai e do seu amor, Misericordiae vultus. O documento papal destina-se significativamente a quantos quiserem lê-lo, sem distinção, e deseja que «a todos, crentes e afastados, possa chegar o bálsamo da misericórdia como sinal do Reino de Deus já presente» no meio dos homens.

As datas que encerram este novo ano santo extraordinário são explicadas pelo Pontífice à luz da misericórdia, desde a inauguração, a 8 de Dezembro de 2015, até ao encerramento, no dia 20 de Novembro de 2016: portanto, entre as celebrações litúrgicas da Imaculada Conceição e do domingo de Cristo Rei. Para salientar no início do jubileu o agir de Deus — que «não quis deixar a humanidade sozinha, nem à mercê do mal», mas preservou Maria da culpa original — e, com a sua conclusão, indicar o senhorio de Cristo, ou seja, da sua misericórdia, sobre o universo.

Nesta moldura que evoca toda a história da salvação, o Papa Francisco declara que escolheu a data de início do ano santo no quinquagésimo aniversário do encerramento do Vaticano II, porque a Igreja «sente a necessidade de manter vivo» o Concílio, definido o princípio de um novo percurso. Então, sentiu-se «a exigência de falar de Deus aos homens do seu tempo de modo mais compreensível», como já em 1950 Montini dissera a Jean Guitton: «De que adianta dizer o que é verdade, se os homens do nosso tempo não nos entendem?».

E dos Papas do Concílio, o seu sucessor recorda na bula as palavras que inserem o Vaticano II nesta chave de leitura, antiga e sempre nova: «Nos nossos dias, a Esposa de Cristo prefere usar o remédio da misericórdia» e, assim, «mostrar-se mãe profundamente amorosa de todos, benigna, paciente, cheia de misericórdia e bondade pelos filhos dela separados», disse João XXIII inaugurando o Vaticano II, encerrado no sinal sugestivo da «antiga história do samaritano», apresentada por Paulo VI como paradigma da sua espiritualidade.

A meio século da conclusão da maior assembleia cristã jamais celebrada, o Papa Francisco recorda-a como «nova etapa da evangelização de sempre». E recorre a uma imagem que evoca o título (Abater os bastiões) e o sentido de um livrinho de Hans Urs von Balthasar, publicado em 1952: «Derrubadas as muralhas que, durante demasiado tempo, tinham fechado a Igreja numa cidadela privilegiada, chegara o tempo de anunciar o Evangelho de modo novo» e de «testemunhar com mais entusiasmo e coragem» a fé em Cristo, único Senhor.

Eis, então, o tempo favorável para voltar ao essencial e transformar cada comunidade cristã num «oásis de misericórdia», eliminando a indiferença, praticando obras de misericórdia corporal e espiritual, redescobrindo a beleza da confissão e mudando de vida, abertos ao encontro com mulheres e homens das outras religiões. Como peregrinos a caminho da meta à qual cada um aspira, talvez até inconscientemente, sem medo de se deixar «surpreender por Deus».

g.m.v.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS