Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Sêneca e a moeda única

· Encontro com o presidente da Pontifícia Academia Latinitatis ·

«Literalmente significa "chilreio". Em latim poderia ser traduzido com pipio pipiare (do passer de Catulo). Pode ser adequado, porque é onomatopeico, mas é possível usar também clangor ou garritus e existem inclusive outros termos». Portanto, já a partir da tradução do nome, entre o Twitter e a língua de Cícero não há uma relação unívoca. A questão está no centro do debate, que se realiza na tarde de 10 de Maio, no Salão do Livro de Turim no âmbito dos encontros previstos devido à presença da Santa Sé como hospede de honra. 

Falam sobre este tema Luciano Canfora, Valerio Massimo Manfredi e Ivano Dionigi, presidente da Pontifícia Academia Latinitatis, o qual anticipou numa entrevista alguns trechos da sua intervenção.

«A questão é que existem pelo menos duas considerações aparentemente contraditórias».

Ou seja?

O latim é aliado do Twitter, mas o Twitter não é suficiente. O social network é adequado a esta língua. Exige que se utilize 140 caracteres, que são até demasiados para uma língua sintética, não analítica, que graças aos casos não precisa de artigos e pode dispensar o uso de preposições, pronomes, e por vezes do verbo. Esta natureza permite que se exprima o maximum do significado, a sua potência diria Sêneca, graças ao mínimo do significante.

Marcello Filotei

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS