Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Se o guia é feminino

· Entrevista a Maria Voce, presidente do movimento dos Focolares ·

Fazíamos questão de que o novo suplemento de L'Osservatore Romano dedicado às mulheres incluísse uma sua entrevista: a senhora é a única mulher na direcção de um movimento tão importante. Esta singularidade pesa-lhe nos contactos com as hierarquias eclesiásticas?

Não só não me pesa, mas é uma peculiaridade cada vez mais reconhecida pelo Papa, cardeais e bispos, segundo o seu significado originário expresso por João Paulo II: ser sinal e garantia do perfil mariano que é primazia do amor sobrenatural, da santidade, co-essência com o perfil apostólico e petrino. Dimensões que concorrem, disse Wojtyła, «para tornar presente o Mistério de Cristo e a sua obra salvífica no mundo». Não era assim nos primeiros vinte anos da nossa história: era uma grande novidade! Por detrás há um longo itinerário, não sem sofrimento.

Também a sua sucessão a Chiara Lubich foi diversa da praxe: nenhuma designação, mas voto democrático. Nas decisões, parece que o movimento segue também este método. Era assim inclusive quando Chiara era viva?

A sucessão realizou-se através de uma eleição, mas não podemos dizer que se seguiu um iter democrático. Se assim tivesse sido, deveríamos depois ter assumido um compromisso para compor a polarização, o que significaria um contraste com o nosso carisma que exige a unidade. A partir daquele momento, compreendemos melhor o sentido da herança de Chiara: Jesus que se faz presente quando «dois ou três estão reunidos no meu nome». Naquele instante crucial experimentámos a sua força que transforma e a sua luz que guia. Foi-nos exigido aquele amor recíproco que não se mede, aliás orienta para a própria medida de Jesus: dar a vida. Actualmente não conhecemos outro modo para tomar decisões: ele significa escuta, partilha de pesos, conquistas, experiências, pontos de vista, prontos a perder tudo no outro. Sobretudo fidelidade à promessa a Jesus crucificado para transformar dores, dúvidas, divisões e recompor a unidade. Quando Cristo está presente resplandecem os dons do Espírito: paz, força renovada e luz; resplandece a igualdade, sem anular o «dom da autoridade».

Parece-me que entre os movimentos sois os mais contrários à publicidade: «humildade e reticência, nunca se pôr em mostra» dizia Chiara. Portanto, as pessoas conhecem-vos quando entram em contacto com um de vós, através de uma relação pessoal. Contudo, esta modéstia torna-vos pouco conhecidos fora: tem algo a ver com a direcção feminina?

Somos contrários à publicidade, não à comunicação. Significativamente Chiara quis que a grande parabólica para as ligações intercontinentais fosse instalada no seu jardim: para ela era o «monumento à unidade». É verdade, houve um longo período de silêncio, quando o movimento estava sob observação por parte da Igreja. Mas nos anos seguintes não faltaram grandes manifestações internacionais irradiadas no mundo através dos satélites, multiplicaram-se revistas e sites web e está em função uma agência de informações. O que nos move não é a busca de fama, mas o ditado evangélico que exorta a não manter a lâmpada escondida, mas a pô-la sobre a mesa para iluminar a casa.

O espírito focolarino tem uma matriz feminina. Que outras características femininas se podem encontrar no vosso carisma?

O Movimento dos Focolares tem uma matriz feminina porque é «obra de Maria». Maria, a expressão mais elevada da humanidade remida, modelo do cristão e de toda a Igreja, como foi sancionado pelo Vaticano II. Foi ela quem imprimiu o seu selo a todo o movimento: interioridade que deixa espaço a Deus e aos irmãos, fortaleza, fé, Palavra vivida, canto do Magnificat que anuncia a revolução social mais poderosa, a maternidade possível hoje que gera em todos os lugares a presença misteriosa, mas real, do Ressuscitado que renova todas as coisas.

No movimento, como membros ou simpatizantes, participam representantes das hierarquias eclesiásticas. Como resolveis o confronto entre competência da guia do movimento e autoridade das hierarquias que eles representam?

Nas relações com os bispos nunca houve conflito de autoridade, mas reciprocidade de dons: do carisma da unidade os bispos obtêm a espiritualidade tão encorajada pelos Papas para oferecer à Igreja o rosto delineado pelo Vaticano II, a Igreja-comunhão. No carisma próprio das hierarquias eclesiásticas, reconhecemos o evangélico «quem vos ouve, a Mim que ouve».

Além dos escritos da fundadora, aos quais obviamente vos inspirais, que relação mantendes com as santas e com os textos que escreveram?

Dois exemplos: Chiara assumiu o nome da santa de Assis porque era fascinada pela sua radicalidade evangélica. Durante anos, na festa da santa, aprofundámos aspectos paralelos de duas espiritualidades. Teresa de Ávila – no novo carisma que doou à Igreja – ofereceu esclarecimentos para interpretar um caminho autêntico de santidade, que tem como meta não só edificar o «castelo interior» mas também o «castelo exterior», em cujo centro está a presença de Jesus na comunidade.

«O nosso uniforme é o sorriso» é uma das vossas máximas inspiradoras. O modelo de referência, Chiara, parece que se realiza melhor pelas mulheres, que lhe assemelham não só no estilo de vestir e no penteado, mas na luminosidade afectuosa do rosto. Para os homens parece mais difícil?

Não é questão de dificuldade, mas de diversidade: «homem e mulher os criou». Chamados a ser dom um para o outro, para que se realize a «plenitude do humano», possível só na «complementariedade entre feminilidade e masculinidade». O próprio movimento pode ser visto como um exercício desta unidade: se a presidente é mulher, mesmo tendo uma função específica para toda a Obra de Maria, tem ao lado um co-presidente. Qualquer outro nível de responsabilidade é partilhado em plena igualdade. Só na unidade entre os dois se exprime o carisma na sua autenticidade. É uma dimensão de unidade que tem raiz em Jesus crucificado e exige uma medida de amor que sabe conter as diferenças sem as anular. E disto é consequência inclusive a luz que transparece nos rostos.

Mantendes relações fraternas com crentes de outras religiões, nas quais as mulheres com frequência são oprimidas e privadas de liberdade: já enfrentastes este argumento com eles?

A questão é muito complicada, porque está radicada em culturas milenárias. E nem sempre são válidas as nossas categorias ocidentais. Mais do que as palavras é válida a vida. Um episódio significativo: em Fontem, no coração da floresta camaronesa, ainda vigora a poligamia. Uma das esposas do chefe de uma aldeia não obedeceu a uma sua ordem. A reacção foi violenta e pública. Logo em seguida, o homem participou num encontro onde se falava do evangélico «o que fizerdes a um dos mais pequeninos é a Mim que o fazeis». Em contraste com a tradição, o chefe reuniu a família alargada e diante de todos ajoelhou-se aos pés da esposa para lhe pedir desculpa. Um facto marcante que teve grande repercução fora da aldeia, dando origem a uma mudança.

Chiara deu-lhe um lindo nome, Emaús. O nome de um lugar, de um encontro. De que modo lhe parece que o realizais?

Emaús é o nome de um lugar, de um encontro que coincide com o coração do carisma: a minha tarefa específica é mantê-lo vivo. O meu compromisso principal é procurar viver pessoalmente as exigências do amor que o tornam activo. Com admiração sempre renovada experimento uma graça que me supera.

A Igreja nestes últimos anos teve que superar momentos de grande dificuldade. Pensa que um papel e uma presença diversa das mulheres teriam facilitado a sua resolução?

É difícil dizer. Diria que nos concentrássemos no hoje, quando uma crise profunda atravessa não só a Igreja, mas toda a humanidade. Se, como repete o Papa, na raiz da crise existe uma crise de fé, a mulher, onde quer que viva, tem a vocação específica de ser portadora de Deus, do amor sobrenatural que é o valor mais importante e eficaz para renovar Igreja e sociedade.


Desde 7 de Julho de 2008, Maria Voce é a presidente do movimento dos Focolares, cujo nome oficial é Obra de Maria. Foi fundado por Chiara Lubich em 1943, com a finalidade de realizar a unidade querida por Jesus entre as pessoas. Em 1962, João XXIII concedeu a primeira aprovação ao movimento, cujos estatutos foram aprovados por João Paulo II em 1990. Em particular, a Obra de Maria obteve do Papa o privilégio raro de poder ser dirigida sempre por uma mulher. Difundido em todos os continentes, o movimento conta hoje com mais de dois milhões de pessoas.

Lucetta Scaraffia

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS