Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Saúde negada

· ​O Papa Francisco denuncia a exclusão dos pobres da África dos serviços médicos essenciais ·

Em várias partes do mundo, sobretudo na África, a saúde é «negada» e em vez de «um direito para todos» transforma-se num «privilégio para poucos, para quantos podem permitir-se», denunciou o Papa recebendo em audiência a organização Médicos com a África, do Colégio universitário de aspirantes e médicos missionários (Cuamm), que há mais de 65 anos trabalha em sete países do continente «a favor do direito humano fundamental à saúde para todos». Um direito baseado na convicção — afirmou no encontro de 7 de maio na sala Paulo VI — que a saúde «não é um bem de consumo» e que «a acessibilidade aos serviços médicos, aos cuidados e aos remédios» não pode permanecer «uma miragem», mas deve ser garantida a nível «universal».

Na África «os mais pobres não conseguem pagar e são excluídos dos serviços hospitalares, até dos mais essenciais». Vítimas deste mecanismo de exclusão são sobretudo as mulheres grávidas e as crianças: «muitas mães morrem durante o parto e demasiadas crianças não superam o primeiro mês de vida por causa da subalimentação e das grandes epidemias». No meio desta «humanidade ferida e sofredora» os médicos do Cuamm são chamados a dar testemunho do amor da «Igreja, mãe que se debruça sobre os mais frágeis e cuida deles». Uma Igreja que não é uma «super clínia para vips» mas, ao contrário, um «hospital de campo» ao serviço dos «numerosos feridos e humilhados da história».

Para o Papa, a África tem necessidade de «processos de desenvolvimento autênticos e duradouros», que «requerem programas de trabalho sérios, exigem pesquisa e inovação e impõem o dever de transparência em relação aos doadores e à opinião pública». Contudo, nisto devem participar as populações, chamadas a tornar-se artífices do seu futuro: «Exorto-vos — disse aos voluntários — a manter a vossa abordagem peculiar das realidades locais, ajudando-as a crescer e deixando-as quando se tornam capazes de continuar sozinhas».

Discurso do Papa  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS