Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Rumo a uma nova terra

· ​O Papa indicou aos jovens o horizonte do próximo sínodo ·

Para a Igreja começou o caminho rumo ao sínodo dos bispos dedicado aos jovens, previsto para outubro de 2018. Um caminho que terá como «bússola» o documento preparatório apresentado na manhã de 13 de janeiro e acompanhado por uma carta em que o Papa Francisco se dirige diretamente às novas gerações do mundo, a olhar «para uma nova terra» e a tornar-se protagonistas de uma sociedade edificada sobre a justiça e a fraternidade.

Enviado ao episcopado dos cinco continentes, à hierarquia das Igrejas orientais católicas, aos dicastérios da Cúria romana e aos superiores religiosos, o documento começa com uma análise sobre a atual condição juvenil, salientando os múltiplos desafios que dizem respeito, em particular, à cultura cientificista, à insegurança, ao desemprego, à corrupção, aos fluxos migratórios, às novas tecnologias e aos fenómenos do alcoolismo, do jogo e da toxicodependência. Neste contexto — reconhece-se — «as antigas abordagens já não funcionam» e por isso tornam-se indispensáveis novos «instrumentos culturais, sociais e espirituais», capazes de «despertar a coragem e os impulsos do coração».

A partir desta consciência, a segunda parte do texto sugere percursos de «discernimento vocacional» para acompanhar e orientar os jovens nas opções fundamentais da vida. Este caminho é inspirado em três verbos já utilizados na Evangelii gaudium: reconhecer o que acontece no próprio mundo interior, interpretar o que se reconhece e decidir através de um «exercício de autêntica liberdade humana e de responsabilidade pessoal».

O que significa para a Igreja «acompanhar os jovens a aceitar o convite à alegria do Evangelho, sobretudo numa época marcada pela incerteza, pela precariedade e pela insegurança»? A esta pergunta responde a parte conclusiva do documento, com uma atenção específica aos protagonistas, aos lugares e aos instrumentos deste acompanhamento. Sublinha-se em especial que os jovens não são simples «objetos» da pastoral e, portanto, «a própria Igreja é chamada a aprender» deles. Também por isso, foi anunciado que a Secretaria geral do Sínodo dos bispos lançará, no próximo mês de março, a iniciativa de um site (www.sinodogiovani2018.va), aberto a todos para consultar os jovens sobre as suas expetativas e a sua vida.

Carta do Papa 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

26 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS