Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Rio de luzes

· México em festa ·

Tratou-se de uma verdadeira festa a que foi organizada para a chegada de Francisco ao aeroporto da cidade do México na noite de sexta-feira, 12 de fevereiro, com jogos de luzes, bandeiras coloridas, grupos musicais em trajes tradicionais, cânticos, danças e coros de estádio. 

E a arena diante do hangar presidencial, apetrechado com enormes tribunas abarrotadas de pessoas, mais de cinco mil, parecia deveras um estádio, onde teve lugar a cerimónia de boas-vindas. Cinco mil pessoas que fizeram sentir todo o seu afeto e calor ao hóspede. E não podia ser de outra forma. Os mexicanos já receberam dois Papas nos últimos 37 anos: João Paulo II por cinco vezes e Bento XVI em 2012. Todas as vezes foi uma festa. Mas a chegada de Francisco não podia deixar de ter um sabor diverso. É um Pontífice latino-americano. É um deles, e só isto já torna a sua visita especial. E portanto as boas-vindas só podiam ser especiais.

O clima de expectativa era tal que as pessoas presentes começaram a exultar logo que o avião papal aterrou, pouco depois das 19h00. Um entusiasmo que aumentou quando a porta se abriu, à espera que aparecesse a silhueta branca. Antes de descer a escada, Francisco foi submerso pela rumorosa saudação dos presentes. Tudo em perfeito estilo latino-americano. Um entusiasmo que certamente não passou despercebido ao Pontífice, o qual retribuiu a saudação com igual afeto.

Ao longo do percurso do aeroporto até à nunciatura, uns vinte quilómetros, Francisco teve outra demonstração daquele que será o acolhimento que o povo mexicano lhe tributará nestes dias. As estradas transformaram-se num sugestivo corredor luminoso. Um rio interminável de luzes – tochas e telemóveis – movimentadas por dezenas de milhares de pessoas em festa que aderiram a uma iniciativa organizada há dias por um comité promotor e denominado «muralha da luz».

E a festa prosseguiu também diante da nunciatura onde, depois da chegada do Papa, se tinham reunido centenas de pessoas que o aclamaram com cânticos e slogans. Uma manifestação de afeto que provavelmente teria continuado por muito tempo, se Francisco não tivesse saído para os saudar. «Esta noite – disse-lhes – não vos esqueçais de olhar para Nossa Senhora. Pensemos nas pessoas que amamos e nas que não nos amam». Em seguida, antes de se retirar, convidou-os a recitar uma Ave-Maria.

do nosso enviado Gaetano Vallini

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Fevereiro de 2020

NOTÍCIAS RELACIONADAS